segunda-feira, 4 de setembro de 2017

O Círculo - Tom Hanks e Emma Watson - 2017


The Circle é uma das empresas mais poderosas do planeta. Atuando no ramo da Internet, é responsável por conectar os e-mails dos usuários com suas atividades diárias, suas compras e outros detalhes de suas vidas privadas. Ao ser contratada, Mae Holland (Emma Watson) fica muito empolgada com possibilidade de estar perto das pessoas mais poderosas do mundo, mas logo ela percebe que seu papel lá dentro é muito diferente do que imaginava.(Resenha oficial)

Muitos criticaram o filme por fazer uma análise superficial do uso das redes sociais e novas tecnologias e eu concordo, principalmente porque o filme não aprofunda de uma forma criativa a temática da invasão de privacidade e da vontade de muitos em serem famosos e com isso criar debates saudáveis em relação à esses temas. 

A história nos mostra como o acesso desenfreado e irracional pode levar pessoas à uma exposição cruel e muitas vezes à morte. Existem vários casos de jovens que se matam devido a exposição não autorizada (seja do seu corpo, das suas dificuldades, dos seus defeitos) para o entretenimento de outros. 

A estrutura da empresa fictícia do filme é muito parecida com o gigante Google, e os discursos do presidente da empresa (Tom Hanks) muito me lembra Steve Jobs, o discurso é o mesmo, usar a tecnologia para ser livre, transparente e mais honesto, como se o ser humano precisasse de tecnologia para mudar o caráter e não o senso do certo e errado. 

A personagem interpretada por Emma Watson se empolga com o discurso de liberdade e começa a mergulhar no trabalho, arrastando consigo seus pais e seus amigos. 

Os temas propostos são de imensa importância, são atuais e tocam a vida de muitas pessoas, seja de uma forma positiva ou não. 

O bom do filme é que ele me fez pensar, muitas pessoas são totalmente impressionáveis e se deixam levar por sensações abstratas e vidas alheias, criando uma sociedade de indivíduos com sentimentos rasos, repletos de seguidores e solitários na vida fora da web.

Um outro tema que o filme me fez pensar é que não existe liberdade integral, sempre existe alguém vigiando, filmando, compartilhando mesmo que sem seu consentimento.

Nota: 5 

Texto: Marcello Lopes

Nenhum comentário: