segunda-feira, 28 de julho de 2014

Biblioteca Monteiro Lobato


A Biblioteca Infantil Municipal foi criada em 14 de abril de 1936 como parte de um amplo projeto de incentivo à cultura elaborado por um grupo de intelectuais liderado por Mário de Andrade, então diretor do Departamento Municipal de Cultura.

É a mais antiga biblioteca infantil em funcionamento no Brasil e precursora de outras similares, tanto no município como no interior do estado de São Paulo, graças à educadora Lenyra Camargo Fraccaroli, que, além de dirigir a biblioteca até 1960, também incentivou e supervisionou a construção de bibliotecas infantis em vários bairros da capital.

A biblioteca começou em uma casa na Rua Major Sertório, onde se iniciaram atividades para atrair as crianças em torno do livro e da leitura, tais como: coleções de selos e moedas antigas, sala de jogos, sala de revistas, A Voz da Infância (jornal feito pelas crianças), hora do conto e sessões de cinema sonoro.

O escritor Monteiro Lobato vinha à biblioteca contar histórias para as crianças.

O espaço ficou pequeno pela alta freqüência de crianças e, em 1945, a biblioteca mudou-se para a antiga casa do senador Rodolfo Miranda, na Rua General Jardim, onde hoje existe a praça da biblioteca.

Nesse novo espaço as atividades foram ampliadas e em 1947 foi criada uma sala destinada às crianças cegas, a seção braile, que atualmente funciona no Centro Cultural São Paulo, e também foram iniciados os Congressos de Literatura Infantil e Juvenil.

No mesmo terreno foi construído o atual edifício, projetado pelo arquiteto Hentz Gorham, da Divisão de Arquitetura do Município de São Paulo e a construção ficou a cargo do Escritório de Engenharia Joaquim Procópio de Araújo.  O prédio atual da biblioteca, na Rua General Jardim, 485, foi inaugurado em 24 de dezembro de 1950.

Em 1955, a biblioteca passou a denominar-se Monteiro Lobato em homenagem ao escritor que tanto encanta crianças, jovens e adultos.

Nesse prédio moderno, o acervo de livros foi aumentando e novas atividades foram criadas: sala de artes, discoteca, seção de livros raros, teatro de Bonecos, o acervo Monteiro Lobato, o Teatro Infantil Monteiro Lobato/TIMOL, a Academia Juvenil de Letras, programação de peças de teatro, sala de vídeo, banco de textos teatrais, visitas monitoradas com escolas e tantas outras.


Acervo geral

A biblioteca conta com um acervo de 49 mil exemplares que é constituído por livros de literatura e informação, revistas, atlas, multimídia, etc.

Todo o acervo de livros pode ser encontrado no catálogo online do Sistema Municipal de Bibliotecas. Informe-se sobre outros títulos existentes, pessoalmente ou por telefone.

A maior parte das obras pode ser emprestada ao usuário matriculado na biblioteca.

Gibiteca

Espaço dedicado às Histórias em Quadrinhos, reúne aproximadamente 3500 exemplares de álbuns, gibis, mangás e RPG.

Literatura Infantil e Juvenil - coleção de obras especializadas

Atende pesquisadores, especialistas, estudantes e outros interessados na história das bibliotecas infanto-juvenis (necessário agendar previamente).

A Seção de Bibliografia e Documentação da Biblioteca Monteiro Lobato conta com um dos mais importantes acervos do país em literatura infantil e juvenil. É responsável pela publicação da Bibliografia Brasileira de Literatura Infantil e Juvenil desde 1941.

Coleção de obras raras: em literatura infantil nacional e estrangeira e acervo referente à vida e obra de Monteiro Lobato; com cerca de 4500 mil itens e é basicamente formado por doações da família do escritor: livros, fotografias, mobiliário, objetos pessoais e correspondências.

Livros Escolares

Acervo Histórico de Livros Escolares - AHLE. A partir do material encontrado em bibliotecas infantis, foram selecionadas cartilhas, manuais de ensino e obras didáticas publicadas desde 1895. Conjunto de livros que contempla disciplinas escolares dos cursos elementar e secundário.

Memória Documental

O arquivo histórico-documental da biblioteca reúne a história do departamento das bibliotecas infanto-juvenis com documentos e fotos do Timol, Tibbim, Turistinhas Municipais, Academia Juvenil de Letras e o Jornal A Voz da Infância.


Acervo

Bibliografia Brasileira de Literatura Infantil e Juvenil online 

A Bibliografia Brasileira de Literatura Infantil e Juvenil - BBLIJ, produzida pela Seção de Bibliografia e Documentação da Biblioteca Monteiro Lobato e editada desde 1953, reúne a produção de literatura para crianças e jovens pelo ano de edição, apresentando as referências bibliográficas e as resenhas analíticas dos livros de literatura infantil e juvenil considerados os mais significativos.

Publicada anualmente na forma impressa, está disponível também na versão online, possibilitando facilitar o acesso e ampliar a divulgação por meio da Web.

Todas as obras referenciadas na BBLIJ podem ser localizadas na Seção de Bibliografia e Documentação da Biblioteca Monteiro Lobato.

Esta Seção tem um dos mais importantes acervos do país em literatura infantil e juvenil.

Atende mediante agendamento prévio pesquisadores, especialistas, estudantes de graduação e pós-graduação interessados na literatura infantil e juvenil.



José Renato Monteiro Lobato nasceu em 18 de abril de 1882 em Taubaté, São Paulo. Modificou seu nome para José Bento Monteiro Lobato, desejando usar a bengala do pai gravada com as iniciais J.B.M.L. Ficou órfão aos 17 anos e permaneceu sob a tutela de seu avô, o Visconde de Tremembé.

Em 1904 bacharelou-se em Direito pela Faculdade do Largo de São Francisco. Em 1911 seu avô faleceu deixando como herança uma fazenda, quando Lobato passou de promotor a fazendeiro. Leu e escreveu muito nessa fase da vida, trabalhou no meio rural e colaborou com inúmeros jornais e revistas. Criou o polêmico Jeca Tatu, personagem símbolo de sua obra.

Em 1917 vendeu a fazenda e mudou-se para São Paulo. Comprou a Revista do Brasil e publicou aos trinta e seis anos seu primeiro livro: Urupês. Foi dono de editora, jornalista, crítico de arte, tradutor e adido comercial da Embaixada Brasileira nos Estados Unidos durante quatro anos.

Em 1929 lançou o livro Circo de Escavalinho, onde surge o Sítio do Picapau Amarelo, com Emília e seus imortais personagens.

Faleceu em 4 de julho de 1948, em São Paulo, deixando obras tanto para crianças e adolescentes quanto para adultos. Modernizou a indústria editorial brasileira, lutou pela preservação do nosso petróleo e por um Brasil mais moderno.

“No dia em que todas as cidades do Brasil tiverem uma biblioteca infantil, o Brasil está a salvo de todos os males, porque todos os males do Brasil têm uma causa única: a ignorância dos adultos, justamente porque não lhes foi despertado o amor pela leitura quando eram crianças”.
(Depoimento dado por Monteiro Lobato no dia da inauguração da biblioteca)

Algumas obras: Urupês (1918); O Saci Pererê: resultado de um inquérito (1918); Cidades mortas (1919); Idéias de Jeca Tatu (1919); Negrinha (1920); A menina do narizinho arrebitado (1920); Contos escolhidos (1923); As aventuras de Hans Staden (1927); As reinações de Narizinho (1931); Emília no país da gramática (1934); Aritmética da Emília (1935); O escândalo do petróleo (1936); O museu da Emília (peça de teatro 1938); O Picapau Amarelo (1939); A reforma da Natureza (1941); Literatura do minarete (1948).

Exposição permanente


Acervo Histórico do Livro Escolar - AHLE

O ACERVO HISTÓRICO DO LIVRO ESCOLAR é formado pelo conjunto de livros escolares das antigas bibliotecas públicas infantis da cidade de São Paulo.

O acervo, com 5 mil volumes, é composto por cartilhas, manuais escolares de todas as matérias de ensino, antologias literárias e livros de referência de uso escolar, entre outros, do século 19 até a década de 1980 e abrange os cursos primários, os secundários, os de formação de professor e o ensino técnico.

Está disponibilizado para pesquisadores e interessados na Biblioteca Monteiro Lobato, equipamento da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo.

Link do blog aqui

Crianças na sala de leitura da Biblioteca em 1950


Fachada da Biblioteca em 1950




Exposição permanente

Exposição permanente

Bonecos 

Acervo

Exposição permanente






Exposição permanente

Exposição permanente


Exposição permanente



Exposição permanente



Exposição permanente

Acervo

Exposição permanente

Exposição - Arte árabe

Acervo

Acervo





Acervo









Legislação referente à biblioteca:
Criação: Decreto nº 861/35 de 30 de maio de 1935
Inauguração: 14 de março de 1936
Denominação: Decreto nº 4.793 de 15 de setembro de 1955
Criação de SMB: Decreto nº 46.434 de 6 de outubro de 200

Texto: Biblioteca Monteiro Lobato
Fotos: Marcello Lopes

Nenhum comentário: