quinta-feira, 11 de abril de 2013

Biblioteca do Monastério de Strahov

O Mosteiro de Strahov era habitado em 1143 pelos cônegos conhecidos como Premonstratenses ou cônegos brancos, mas durante o período comunista o mosteiro foi fechado e muitos dos cônegos presos, após o colapso do comunismo eles regressaram ao mosteiro em 1990.



A área do mosteiro inclui a Igreja de S. Roque, a Igreja da Nossa Senhora da Ascensão, onde diz-se que Mozart tocou órgão em 1787, e a Galeria de Imagens Strahov e a singular Biblioteca Strahov.

Como era de se esperar o mosteiro desempenhou um papel importante no mundo das artes, no séc. 18 a coleção de arte da instituição já era enorme e muito importante na Europa.

Em 1834, o abade Zeidler destinou uma ala para o público poder ver as mais de 400 telas do numeroso acervo. Com a ascensão do comunismo o acervo foi disperso e entre 1992/93 trabalhou-se para recuperar o acervo que continha trabalhos que datavam entre o séc. 14 e 19.



A magnífica biblioteca localiza-se em grandes salas decoradas com afrescos barrocos no teto.

É a maior biblioteca monástica no país com dois salões barrocos e tem mais de 800 anos.

A biblioteca guarda mais de 130 000 volumes, incluindo 2 500 livros publicados antes do ano 1500, assim como 3 000 manuscritos.

O livro mais antigo é o Evangelho Strahov do século IX.

Outras obras incluem as de famosos copistas como Christophe Plantin da Antuérpia.

Há um salão de Filosofia com dois andares que remonta ao ano de 1780, e todo o seu teto está coberto com uma bela composição intitulada O Desenvolvimento Espiritual da Humanidade de autoria de Franz Maulbertsch (principal artista no séc. 17 na Áustria e importante nome do rococó germânico)

O Salão de Teologia tem um teto curvado em trabalho de estuque barroco que remonta a 1679, construído por Giovanni Orsi.

O Salão de Teologia tem paredes forradas com estantes elaboradas, repletas de volumes e manuscritos preciosos.




Para uma visita virtual acesse aqui:  http://www.360cities.net/gigapixel/strahov-library.html

Texto: Marcello Lopes
Fotos: Google

quinta-feira, 4 de abril de 2013

Biblioteca do Parlamento Canadense

No início a província do Canadá não tinha uma capital definida, e a sua biblioteca passou por diversas mudanças de endereço até que a Rainha Victoria definiu em 1857 a capital do Canadá como Ottawa, fazendo assim o endereço definitivo da Biblioteca do Parlamento Canadense. 

Projetado por Thomas Fuller em estilo gótico foi inaugurado em 1876, a sua forma circular e o uso de galerias foram inspiração do primeiro bibliotecário Parlamentar, Alfeu Todd, que recomendou também que o edifício deveria ser grande e espaçoso e aconselhou que ele deveria ser separado do Bloco Central para protegê-lo do fogo. 

O fogo é o grande inimigo da Biblioteca, em 1849 legalistas atearam fogo e conseguiram queimar mais de 200 livros de um acervo total de 20.000 livros.

Em 1916 o Bloco Central sofreu um grande incêndio, o fogo destruiu a maior parte do Bloco Central, mas a biblioteca não foi atingida devido as portas corta fogo. Em 1952, um incêndio começou na cúpula da própria biblioteca, danificando parte do acervo por causa da água e fumaça.

Os painéis de madeira foram desmontados, enviados para Montreal onde foram limpos e protegidos contra o fogo e parte do piso foi refeita em cerejeira, carvalho e nogueira.



No interior, a variedade de texturas, cores e detalhes artesanais são típicas deste estilo de arquitetura.

Milhares de flores, máscaras e bestas míticas foram esculpidas na painéis de pinho branco.

As galerias exibem brasões de armas para as sete províncias existentes em 1876 e um para o Domínio do Canadá.

No centro da sala está uma estátua de mármore branco da jovem Rainha Vitória, esculpido por Marshall Madeira em 1871.


Em 30 de maio de 2006, as portas da biblioteca histórica do edifício do Parlamento reabriu após quatro anos de reforma, conservação e atualização.

Desde então, algumas das grandes coleções da Biblioteca foram transferidos de volta, e funcionários da biblioteca atendem os serviços dos parlamentares no local. 

O "novo" edifício da biblioteca principal acomoda uma sala de leitura para os parlamentares, um serviço de referência, uma área expandida para os visitantes, áreas de armazenamento para coleções, uma sala de livros raros e escritórios. 

A atualização mantém muito do caráter 1876 original.


O principal ramo representa apenas uma fração da Biblioteca de operações do Parlamento: a maioria dos funcionários da Biblioteca trabalham em outros edifícios parlamentares.

Os serviços são oferecidos em um número de bibliotecas e salas de leitura filiais.

A Biblioteca do Parlamento oferece serviços de referência de informação e pesquisa para os parlamentares e suas equipes, comissões parlamentares, associações e delegações, e do Senado e da Câmara dos altos funcionários comuns.

O pessoal qualificado lida com centenas de pedidos de informação e assistência de referência diária, muitas vezes respondendo em poucas horas.

Especialistas em direito, economia e outros campos fornecem serviços de pesquisa e análise sobre a legislação e questões de políticas públicas. Uma seleção de seus trabalhos de pesquisa está disponível no site do Parlamento do Canadá.

Através de seus serviços, publicações e coleções, a Biblioteca do Parlamento tenta antecipar as necessidades de um Parlamento ocupado. Opiniões edição atual, compilações, resumos legislativos, listas de leitura são apenas algumas das ferramentas da Biblioteca de informação.

A Biblioteca tem mais de 17 quilômetros lineares de materiais em seu acervo, entre livros, periódicos, documentos governamentais, CD-ROMs e vídeos.

Parlamentares também podem aproveitar serviços como bancos de dados on-line, um sistema de filtragem de notícias eletrônicas e um catálogo on-line de direito à informação em seus computadores.

A Biblioteca do Parlamento também oferece muitos interessantes programas públicos e atividades:
  • Informações sobre o Parlamento do Canadá por meio de impressão e Notas eletrônicos e folhetos
  • Programas de visitantes e visitas guiadas ao edifício do Parlamento
  • Loja de artigos do Parlamento 
  • O programa guia parlamentar, oferecendo oportunidades de emprego para jovens canadenses
  • Exposições sobre os edifícios do Parlamento
  • Materiais de sala de aula, tais como planos de aula e atividades educacionais de extensão (principalmente o Instituto Professores sobre Democracia Parlamentar canadense)


Se você leu até aqui, então faça o tour 360° na Biblioteca: 


Tradução: Marcello Lopes
Site oficial aqui

Parliament of Canada
Ottawa, Ontario, K1A 0A9
Telephone Toll-free: 1-866-599-4999
National Capital Region: (613) 992-4793
Fax: (613) 992-1273
TTY: (613) 995-2266
Guided Tours: (613) 996-0896
Email: info@parl.gc.ca

segunda-feira, 1 de abril de 2013

Sem medo de ser feliz


Isabel Losada é, na sua própria definição, um desastre ambulante. Como muitas pessoas, ela quer ser feliz e bem-sucedida, manter um relacionamento saudável e ter um trabalho interessante.

Só que, no caso dela, deu tudo errado. De novo. Disposta a se reinventar, a autora se desfaz de antigas crenças, joga fora tudo o que aprendeu e se dedica a adotar uma “mente de principiante” em relação à vida.

Nos cinco estágios da jornada de recriação narrada neste livro, a autora repensa como e onde gostaria de morar com a ajuda do Feng Shui; assiste a um seminário em que literalmente caminha sobre o fogo para reformular sua vida; passa sete dias em silêncio absoluto durante um retiro de meditação; conversa com um guru jamaicano de sotaque charmoso e, por fim, embrenha-se na Amazônia peruana para experimentar a ayahuasca, a bebida alucinógena que no Brasil também é conhecida como daime.

Da mesma forma que em seu primeiro livro, Pra que ter razão se eu posso ser feliz?, Isabel tira uma lição de todas as experiências pelas quais passa, como assumir total responsabilidade pela própria vida e nunca culpar os outros, estabelecer metas definidas e sair atrás delas, não inventar desculpas e apenas agir.

Ao final de suas aventuras físicas, metafísicas e alucinógenas, Isabel aprende quando nadar contra a maré, quando se deixar levar pela correnteza e, o principal, como encontrar o equilíbrio para, finalmente, ser feliz.

Texto: Editora Alaúde