sexta-feira, 25 de março de 2011

Novas imagens de Game of Thrones


A nova série da HBO estreia nos EUA no dia 17 de abril e no Brasil no dia 8 de maio. Nas fotos temos algumas imagens dos lugares nos quais a história irá transcorrer.

Adaptada por David Benioff e Dan Weiss, a série tem quatro temporadas previstas, com base nos livros de George R.R. Martin. A primeira será a versão de “Game of Thrones”. Filmada na Irlanda, a história gira em torno das intrigas e conspirações que ocorrem na corte de Westeros.


Os efeitos visuais da série serão feitos em CGI.


Informações de Fernanda Furquim.

quarta-feira, 23 de março de 2011

House of Cards na internet


Após negociações entre a empresa Netflix e a produtora Media Rights Capital, a série “House of Cards” ganhou a encomenda de duas temporadas de 13 episódios cada, com estreia prevista para o final de 2012, na Internet.

A série estrelada por Kevin Spacey, com produção de David Fincher, estará disponível para mais de 20 milhões de membros associados ao site da Netflix.

O projeto de “House of Cards” foi originalmente anunciado em 2009. A série tem como base o livro de Michael Dobbs, já transformado em minissérie em 1990 pela BBC.

Adaptada por Beau Willimon, a história acompanha um político que não mede esforços para concorrer ao cargo de Presidente da República. As filmagens da primeira temporada terão início no primeiro semestre de 2012.

O acordo prevê que a Netflix tenha o direito exclusivo de exibição da série. Após um prazo estipulado em contrato, a Media Rights Capital poderá oferecer a produção para canais de TV e distribuidoras de DVD.

Segundo a imprensa americana, esta é a primeira tentativa de estrear na Internet uma produção original seriada, disputada por outros canais de TV, como AMC, HBO e Starz. Se tiver sucesso, ela poderá dar início a uma nova fase de produção, exibição (e até distribuição) de séries.

Falling Skies


Comecei a ouvir boatos sobre as novas produções de Spielberg , e a que mais me chamou a atenção foi a série Falling Skies, sobre a invasão alienígena. A série estreia nos Estados Unidos em junho. 
A trama gira em torno dos poucos sobreviventes de uma imensa invasão alienígena que devastou o planeta, esses sobreviventes se reúnem para sair das cidades grandes e formar uma resistência. 
A série traz roteiro de Robert Rodat, do filme “O Resgate do Soldado Ryan”, com base em uma idéia de Spielberg. A direção do episódio piloto é de Carl Franklin, conhecido por seu trabalho como ator na série dos anos 70, “Viagem Fantástica”. Atualmente, Carl vem realizando vários trabalhos como diretor, entre eles episódios de “Roma”, “The Riches” e “The Pacific”.

Noah Wyle (Plantão Médico) interpreta Tom Mason, um professor de história da cidade de Boston cuja família acabou sendo dividida. Moon Bloodgood (O Exterminador do Futuro: A Salvação) co-protagoniza como Anne Glass, uma pediatra que trabalha com as crianças sobreviventes. Will Patton (Armageddon) vive Weaver, um corajoso líder da resistência. Drew Roy (Greek) assume o papel de Hal, o filho mais velho de Tom e que luta ao seu lado. O elenco traz ainda Sarah Carter (Shark), Colin Cunningham (Stargate SG-1), Seychelle Gabriel(Weeds), Connor Jessup (The Saddle Club), Maxim Knight (Brothers & Sisters), Mpho Koaho(Rookie Blue) e Peter Shinkoda (The L Word).

Além de “Falling Skies”, Spielberg também está preparando as séries e minisséries “Under the Dome“, “Nine Lives“, “Future Earth”, “The Talisman“, “Terra Nova” e um projeto sobre os bastidores de uma montagem musical para o Showtime. Sendo que “United States of Tara” também é sua. O diretor, que ficou famoso com filmes de aventura no cinema, iniciou carreira dirigindo episódios de “Galeria do Terror” e “Marcus Welby”.
Informações colhidas no site O Omelete

segunda-feira, 21 de março de 2011

SEAL - Chevrolet Hall 2011

 

Bom, eu sou fã dele desde 1991 quando ele lançou o seu primeiro álbum, concorrendo à vários prêmios da indústria americana, tenho todos seus álbuns em mp3 e os levo sempre onde eu vou, é quase uma idolatria.

Eu moro em Belo Horizonte fazem 18 meses e nunca tinha ido em algum show fechado, por isso foi com muita alegria que recebi a notícia que teria meu nome na lista para entrar no show do Seal sem nenhum custo.

Cheguei mais cedo no Chevrolet Hall e fiquei esperando até que pudesse entrar, pensando que seria levado à arquibancada, mas para minha surpresa fui levado pra pista, e como ainda estava cedo, consegui um ótimo lugar.

Cara de quem tá feliz !!!
 O show foi sensacional, apesar do atraso de 1 hora.

Seal abriu com If I´m any closer, Loaded e Killer do primeiro álbum de 1991 com uma energia absurda no palco, pulando e provocando a galera, na sequência cantou duas músicas do álbum Soul de 2008, It's a Man's Man's Man's World e I Can't Stand the Rain e Weight of my mistakes.

Seal parou para dizer o quanto estava quente no lugar (pelo calor que estava fazendo, ar condicionado não existia naquele lugar) e para dizer o quanto ele estava feliz de voltar ao Brasil, e pela alegria do 1° show na cidade mineira.

Seal começou a segunda parte do show com Love´s Divine, Prayer for Dying, Just Like you said, The way I lie, My Vision, Right Life, Violet em uma sequência pra lá de emocionante.

Uma parada por causa de um problema com o seu microfone, a banda começa a solar alguns acordes enquanto espera pela volta do cantor.

Seal voltou na terceira parte com outra sequência avassaladora começando com Kiss from a rose, Lost my faith, Dreaming in Metaphors em uma versão acústica, fechando com Amazing do álbum System.


Seal ainda cantou 2 músicas que eu não conhecia e não achei no setlist do show, sorry !!


Antes da minha câmera começar a dar pau, fiz um vídeo da 1° música do show, que foi Killer, releve a qualidade da voz que acompanha a música, e principalmente as peripécias de enquadramento.



Cantando Kiss from a rose

Banda muito boa.







Fotos e Vídeo: Marcello Lopes

sábado, 19 de março de 2011

Blog milionário da Bethania



Esse país é um circo mesmo !!!

O orçamento do futuro blog de Maria Bethânia, aprovado pelo Ministério da Cultura, reserva para ela um cachê de R$ 600 mil pela "direção artística" do projeto.

O valor equivale a 44% do total de R$ 1,35 milhão que a cantora foi autorizada a captar em dinheiro de renúncia fiscal, via Lei Rouanet.

Ela informou ontem, por meio de assessoria, que mantém a decisão de não fazer comentários sobre o assunto.

A remuneração está prevista no orçamento que Bethânia entregou à Comissão Nacional de Incentivo à Cultura, responsável pela escolha dos projetos a serem beneficiados pela lei.

O documento, obtido pelo site, apresenta a cantora como a única responsável pelas atividades de "direção artística, pesquisa e seleção de textos e atuação em vídeos" do blog de poesia.

Três páginas adiante, uma planilha de custos fixa em R$ 600 mil a remuneração do "diretor artístico" -no caso, a própria cantora.

O orçamento diz que o valor equivale a um salário de R$ 50 mil, a ser pago nos 12 meses de duração do projeto.

O cachê reservado a Bethânia supera os R$ 467 mil que ela planeja gastar com produção, edição e legendagem dos vídeos que ela promete veicular diariamente.

No pedido de verba, a produtora Quitanda Produções Artísticas classifica o blog como revolucionário:

"Em meio a tantos absurdos do mundo moderno, a tantos problemas que cercam a vida de todos, nos propomos a revolucionar a vida cotidiana de cada um."


A captação dos recursos foi autorizada esta semana.

Ontem, a reportagem teve acesso a dois pareceres do ministério que embasaram a decisão. O último relata "ajustes orçamentários" na proposta original, que previa captar 1,79 milhão.

A pasta não informou os itens afetados pelo corte de 440 mil. Em nota, afirmou que isso só pode ser checado mediante pedido de vista do processo, em Brasília.

Incluindo o blog, o ministério já autorizou Bethânia a captar R$ 10,5 milhões para seis projetos culturais desde 2006. Por problemas no sistema de acompanhamento virtual da pasta, não era possível saber ontem a quantia que ela chegou a arrecadar.

Vamos por partes como diria Jack, o Estripador :

  1. Por problemas no sistema de acompanhamento virtual não é possível saber a quantia arrecadada, ou seja, a névoa que encobre esse tipo de decisão continua a persistir, e ninguém pode provar, por enquanto, o quanto ela arrecada e para onde vai esse dinheiro.
  2. Blog Revolucionário ???????? Caraca, ela quer mudar a vida cotidiana das pessoas ? Ótimo, use esse dinheiro e blog pra cobrar dos políticos mais verbas para os doentes de AIDS que estão sem o coquetel, para os postos de saúde que estão sem vacina e para os hospitais no Norte/Nordeste que estão sem material e máquinas. 
  3. Sou à favor da cultura sim, eu mesmo tenho 2 blogues e escrevo minhas poesias, mas nesse país as prioridades teriam que ser EDUCAÇÃO, SAÚDE, SEGURANÇA, ou não ?
  4. Qual o valor da ajuda do governo federal às vítimas das enchentes no Rio, no Paraná e em outros estados prejudicados  ?????

Onde estão os manifestantes que foram ao cinema Belas-Artes em São Paulo para protestar contra o fechamento de um cinema ???? 

Como eu disse outro dia, o brasileiro é o povo mais sem noção que existe, enquanto outros povos lutam pela liberdade de expressão, pela liberdade em ter uma vida melhor, aqui, lutamos por um cinema de elite onde a minoria desfruta (ou vocês acham que 17 reais um cinema é pra qualquer um ?), lutamos por coisas que não contribuem de maneira efetiva para o progresso moral, espiritual e material da população.

Somos levados à crer que esse tipo de manifestação é maioria no país, e não é, os trabalhadores brasileiros que pagam os impostos europeus aqui no Brasil e recebem um atendimento e benefícios de nível sub-africano mereciam sorte melhor, mas aí fico pensando, que a culpa é deles também, por idolatrar esse tipo de pessoa, os "artistas", os "atores e atrizes" que ACHAM que formam opiniões. 

Para uma artista que diz ser tão preocupada com a questão da minoria nesse país, que se diz triste pelas perdas ambientais na Bahia, na Amazônia, captar esse montante para criar um blog de poesia me parece um tanto desconexo como se Bethania vivesse o paradoxo do "viver é melhor que sonhar"quando tudo lhe é conveniente,é claro!

Eu já tentei fazer uma conta usando esse valor + o dinheiro que a corja maldita em Brasília usa pra ganhar + dinheiro sujo e o que daria pra fazer nesse país, mas sempre quando chego na metade, me canso e desisto. 

Sim, o país não tem tsunamis, não tem terremotos, não tem grupos radicais querendo explodir a capital, mas temos um povo altamente egoísta, alienado (eu me incluo nesse item), altamente inculto e preguiçoso, que se deixa dominar e dirigir por uma minoria de pseudo-intelectuais, pseudo-heróis (Dilma não é heroína, porra nenhuma), que continuam a desviar verbas e mais verbas do País em benefício próprio e dos familiares.

As pessoas de bem desse país como os professores deviam fazer uma imensa greve geral pelo país inteiro pedindo a devolução desse dinheiro, a saída da Ministra da Cultura (que aliás, é irmã do Chico, amiguinho da Bethania) e se der certo continuar com a greve pedindo a saída de inúmeros parlamentares, mas isso eu sei é uma alucinação amorosa minha !!!

E infelizmente, enquanto escrevo esse texto, leio mensagens de apoio à cantora, dizendo que se a captação foi feita legalmente ninguém pode reclamar, e que deveríamos reclamar com os parlamentares que aprovaram essa lei de captação. Sejamos justos então com esses fãs insanos, a captação obedeceu todas as regras, está dentro da lei, mas as empresas que a apóiam nesse projeto ridículo vão deduzir do imposto de renda o valor investido, isso significa um valor menor para o Governo Federal "investir" onde precisa, certo ? 

Logo, continua sendo um absurdo esse dinheiro ser direcionado para um blog de poesias, mesmo que seja da qualidade de uma cantora como a Bethania.

Marcello Lopes 

sexta-feira, 18 de março de 2011

Medéia


Sei que nem todos se interessam em ler uma tragédia grega.

Lembro-me de ler essa peça por causa do alto teor de violência e da forma como Medeia se vinga de Jasão.

Nesse mito de Eurípides (c. 480-406 a.C.) narra a vingança de Medeia contra Jasão, depois que ele a rejeita para se casar com a princesa de Corinto.

Medeia se sente abandonada, humilhada depois de tudo que fez para ajudar Jasão a vencer a batalha e se lamenta todos os dias, nem a visão de seus filhos a anima e culpa principalmente a princesa de Corinto pela sua desgraça.

O plano é tramado no sofrimento e no abandono, Medeia chama Jasão para uma conversa, e o convence que ela está arrependida pelas coisas que disse e pede para seus filhos poderem ficar com o pai, morando no castelo real. O que Jasão concorda feliz.

Medeia manda por seus filhos presentes para a princesa, um véu e um diadema, que estão envenenados e matam não apenas a princesa que os colocou, mas também o rei de Corinto que tenta salvá-la.

Jasão corre para a casa de Medeia a procura de seus filhos, porém chega tarde demais. Ao chegar em sua antiga casa, Jasão encontra seus filhos mortos, pelas mãos de sua própria mãe, e Medeia já fugindo pelo ar, em um carro guiado por serpentes aladas que foi dado a ela por seu avô o deus Hélios.

Não poderia ter havido vingança maior do que tirar do homem sua descendência.

Encenada pela primeira vez em 431 a.C.

O autor traduz como poucos a psicologia humana e em especial a feminina, transformando Medeia em uma das personagens mais marcantes da literatura,
e o texto eternamente inspirador em diferentes épocas, de Chaucer à Lars von Trier, até mesmo Chico Buarque com a peça Gota D´água.



Um dos três grandes autores trágicos gregos, ao lado de Ésquilo e Sófocles, Eurípides nasceu por volta de 480 a.C. na ilha de Salamina, filho de um proprietário de terras.

Das 93 peças que tradicionalmente lhe são atribuídas, chegaram até nós dezoito, oito das quais datadas com precisão: Alceste (438 a.C.), Medeia (431 a.C.), Hipólito (428 a.C.), As troianas (415 a.C.), Helena (412 a.C.), Orestes (408 a.C.), Ifigênia em Áulis e As bacantes (405 a.C.).

Suas últimas peças, Ifigênia em Áulis, Alcméon em Corinto e As bacantes, compostas na Macedônia, foram representadas postumamente em Atenas.

Texto: Marcello Lopes
Biografia e Foto: Google

terça-feira, 15 de março de 2011

Editora Babel

A Editora Babel de Portugal lançou sua filial brasileira na segunda-feira com a missão de lançar 100 títulos em 12 meses, e ambiciona ser a editora com o maior referencial em lígua portuguesa do país.

Os 2 primeiros títulos apresentados no lançamento da editora no Museu de Língua Portuguesa foram Espumas Flutuantes de Castro Alves e Índice das Coisas Mais Notáveis do Padre Antônio Vieira.

O dono do grupo Babel, Paulo Teixeira Pinto informou que o orçamento da editora é de 6 milhões de reais, o grupo português tem ao todo 9 editoras e 4 livrarias em Portugal.

Existe planos para se criar uma premiação literária para livros em língua portuguesa, já que o idioma é a sexta língua mais falada do mundo.

Biografias, ensaios, livros de arte e títulos infantis vão integrar o catálogo da editora. 

De acordo com Luiz Ruffato, Fernando Pessoa vai ser o carro-chefe. O escritor ressaltou ainda a idéia de formar um catálogo de autores nacionais que vai priorizar os estreantes.

Ao descobrir um novo talento, a editora se esforçará em mantê-lo entre seus autores. “Queremos que o público identifique o autor e sua casa. Não vamos lançar livros isolados, mas sim autores”.

Marcello Lopes/Publishnews

31 poetas, 214 poemas


Antologia em nove línguas.

Conduzidos pelo poeta, tradutor, crítico e romancista Décio Pignatari, partimos dos hinos do Rig-veda, no século XVI a.C., e desembarcamos em pleno século XX, com Os versos a Lou, de Guillaume Apollinaire.

A natureza abrangente e díspar do livro só acentua o desafio que há no projeto desta antologia pessoal que, além de aproximar Oriente e Ocidente, transporta 31 poetas e carrega, na bagagem de Babel, 214 poemas escritos em sânscrito, grego, latim, chinês, provençal, inglês, italiano, alemão e francês.

O tradutor confirma mais uma vez sua versatilidade, revelando-se tanto um libertino da língua, na recriação das peças lírico-eróticas de Safo, Catulo e Marcial, como um "zemiótico", pela precisão vocabular empregada na tradução dos poetas da dinastia Tang.

Sobre Décio Pignatari :

Nasceu em Jundiaí, SP, em 1927, mas passou grande parte da sua vida em São Paulo, capital. Formou-se em Direito pela Faculdade do Largo de São Francisco, todavia nunca exerceu essa profissão.

Em 1954 viajou para a Europa onde adquiriu conhecimento das novas tendências resultando no lançamento da Poesia Concreta no Brasil, em seu retorno, juntamente com os irmãos Campos, através da Revista Noigandres. Foi professor em diversas Instituições de Ensino Superior, tais como a USP, ESDI, PUC-SP e atualmente(2004) está lecionando há cinco anos para o Curso de Pós Graduação em Comunicação e Linguagens na Universidade Tuiuti do Paraná, em Curitiba.

Suas principais obras, fora as contribuições em diversos jornais e revistas e suas crônicas de futebol, são: O rosto da memória (poesia concreta), Panteros (romance), Errâncias (memórias fotográficas), Poesia Pois é Poesia (poesia completa) e Céu de lona (peça teatral). Além disso, ainda tem publicações na área de comunicação e política.

Obra de referência. 

segunda-feira, 14 de março de 2011

47 Ronins


A produtora Universal já anunciou o elenco japonês do filme 47 Ronin, que terá o astro Keanu Reeves como um dos 47 guerreiros do título. 

O filme, que será falado em inglês, terá Hiroyuki Sanada (O Último Samurai) como o chefe Oishi, Rinko Kikuchi (Babel) como Lady Mizuki, Tadanobu Asano (Ichi the Killer) como Kira, e Kou Shibasaki (Battle Royale) como a filha do mestre dos 47 samurais, Ken Watanabe e Cary-Hiroyuki Tagawa também estão no elenco.

A história verídica dos 47 Ronin da provincia de Harima é provavelmente a história mais conhecida do valor dos ideais e valor do Bushidô.

A lenda começa em 1701, um tempo de paz durante o Shogunato de Tokugawa.


O Shogun Tsunayoshi vivia e reinava em Edo, enquanto o Imperador, que tinha muito pouco poder politico, vivia em Kyoto. Para mostrar respeito para com o Imperador, Tsunayoshi enviava presentes para Kyoto nas celebrações do Ano Novo, e em retorno o Imperador mandava os seus presentes de Kyoto para Edo.

Numa destas trocas de presentes Tsunayoshi decidiu enviar dois dos seus novos daimyos para receber os mensageiros imperiais. Naganori Asano-Takuminokami, Senhor do Castelo de Ako na provincia de Harima e Munehare Date, Senhor de Sendai. Pelo fato destes daimyos serem muito inexperientes em receber tão altos visitantes, o Shogun decidiu designar um alto oficial chamado Yoshinaka Kira-Kozukenosuke para os apoiar.

Kira, que era um homem arrogante e de mau caráter, ficou bastante irritado com Lord Asano por este não o presentear com caros artigos em sinal de apreciação e respeito por sua ajuda.


Desta forma,Kira em vez de ajudar Lord Asano prejudicava-o sempre que podia e rebaixava-o publicamente sempre que tinha oportunidade. Depois de alguns meses nesta situação de abuso a tolerância de Asano terminou.

Em 14 de Março incapaz de suportar mais os insultos de Kira, Lord Asano desenbainhou o seu Katana (em si uma ofensa capital quando efetuada dentro do castelo de Edo) e feriu Kira de leve. Por esta ofensa, o Shogun Tsunayoshi ordenou a Lord Asano que cometesse imediatamente seppuku.

Kira, por outro lado, não recebeu qualquer punição, pelo contrário foi-lhe permitido continuar com os seus deveres oficiais. O fato do Shogun não ter punido Kira e ter ordenado a execução de Lord Asano irritou os seguidores e amigos de Asano.


De acordo com as leis na época quando um samurai cometia seppuku, o seu castelo era confiscado pelo Shogun, a sua familia era deserdada, e os seus 321 samurai eram ordenados a separar-se e a dispersar, tornando-se assim Ronins

Os samurai de Asano não estavam muito conscientes de como atuar perante esta situação. Alguns pensavam que se deviam recusar a entregar o castelo ao Shogun, outros achavam que deviam planejar uma ação de vingança e matar Kira, outros achavam que deviam respeitar a lei e render-se pacificamente.

Oishi Kuranosuke, chefe conselheiro de Lord Asano, depois de ouvir todas as opiniões transmitidas pelos samurais decidiu traçar um plano. Ele iria pedir ao Shogun o reestablecimento da "Casa de Asano" encabeçada pelo irmão mais novo de Lord Asano, Daigaku. Se esta petição falhasse os samurai de Lord Asano recusar-se-iam entregar o castelo e defende-lo-iam até à morte.


Nos dias que se seguiram, enquanto os agentes do Shogun se encaminhavam para Ako todos os samurai que se opunham à petição foram saindo do castelo, deixando apenas 60 samurai fieis a Lord Asano. 

Mesmo antes que qualquer dos emissários do Shogun chegassem ao castelo, Daigaku Asano enviou uma mensagem a Oishi pedindo-lhe que obedecesse às ordens do Shogun e entregasse o castelo.

Oishi e os restantes 59 samurai aceitaram o pedido de Daiguku, mas antes de entregarem o castelo decidiram traçar um plano de modo a restaurar a honra de seu mestre Lord Asano matando Kira, cujo caráter pouco tinha com os samurais e que tanta desonra trouxe à familia de Lord Asano. Apenas a sua morte reporia de novo a honra a Lord Asano e a sua familia.

Deste modo separaram-se por forma a conceber e levar o seu plano em frente. Naturalmente que Kira suspeitava que os samurai de Asano tentassem vingar-se dele. Para afastar qualquer tipo de suspeita Oishi retirou-se para Yamashima, suburbio de Kyoto, onde foi ganhando a reputação de jogador e bêbado, o que fez diminuir a guarda por parte do Shogun, bem como os espiões de Kira.

O Shogun ainda com receio de que a questão da morte de Lord Asano ainda não tivesse resolvida ordenou a prisão de Daigaku Asano e sentenciou o seu confinamento e de sua familia a uma pequena província, acabando assim, com alguma esperança que pudesse haver quanto ao reestablecimento da "Casa de Asano".

Durante cerca de dois anos eles esperaram pacientemente, disfarçados de comerciantes, de vendedores de rua e até de bêbados, procurando obter informações sobre Kira e estando atentos aos seus movimentos para encontrar uma oportunidade para tomar de assalto a sua mansão. Até que finalmente Kira relaxou e dimimuiu o desconfiança e a guarda à Oishi e seus companheiros.

Numa reunião secreta Oishi e os outros 59 Ronin decidiram chegara o momento da vingança, e que eles deveriam devolver a honra ao seu mestre. Oishi decidiu levar consigo apenas 46 dos 59 Ronin. Ele decidiu enviar os outros 13 para junto das suas familias.

Um por um Oishi e os seu homens infiltraram-se em Edo, e numa noite de inverno, 14 de Dezembro de 1702 os 47 Ronin atacaram a mansão de Kira enquanto ele dava uma festa do chá. 

Os 47 Ronin divididos em dois grupos atacaram a mansão pela entrada principal e por trás. 

Nessa batalha os 47 Ronin lutaram contra 61 guardas armados. Ao fim de 1 hora e meia de batalha, os Ronins de Asano tinham matado ou capturado todos os guardas de Kira sem nenhuma baixa.

Depois de uma busca pela mansão, Kira foi encontrado escondido na casa de fora. 

Os samurais trouxeram Kira para o átrio principal e em frente aos outros 46 lhe deram a mesma oportunidade que foi dada a Lord Asano: morrer honradamente cometendo seppuku.

Kira não queria cometer seppuku, por isso um dos Ronins o decapitou. Depois, para simbolizar a conclusão da sua missão, os 47 Ronin voltaram onde tinha sido sepultado Lord Asano no templo Sengaku-Ji e lá colocaram a cabeça de Kira, declarando assim a honra de Lord Asano redimida.


Preparados para morrer,Oishi enviou um mensageiro ao magistrado a Edo, informando o que tinha sido feito e dizendo que eles iriam ficar à espera no templo Sengaku-Ji, aguardando ordens do Shogun.

O Shogun Tsunayoshi , em vez de ficar profundamente irado com o acontecimento, ficou muito impressionado com a enorme lealdade demonstrada pelos 47 Ronin. Este fato tornou a decisão de Tsunayoshi ainda mais dificil.

Deveria ele apenas separar os 47 Ronin como reconhecimento pelo sua enorme demonstração de lealdade para com o Bushidô ou deveria ele puni-los de acordo com a lei? 

Depois de 47 dias de reflexão, Tsunayoshi ordenou que Oishi e 45 dos Ronin se matassem, não como meros criminosos mas como honrados guerreiros. O mais novo dos Ronin que foi enviado a Ako com a notícia da morte de Kira foi poupado desta sentença.

4 de Fevereiro de 1703 os 46 Ronin foram divididos em quatro grupos e entregues a 4 diferentes daimyo, que foram ordenados de supervisionar e testemunhar suas morte. Oishi e os outros 45 Ronin cometeram seppuku simultaneamente, dignificando-se no seu valente sacrificio. Depois das suas mortes, os 46 Ronin foram enterrados lado a lado com seu mestre no templo Sengaku-Ji.

Hoje em dia, a memória dos 47 Ronin é celebrada numa peça chamada Chusingura que leva as audiências às lágrimas. Milhares de japoneses visitam o local onde estão enterrados os corpos do 46 Ronin no Templo Sengaku-Ji para prestar homenagem à honra e lealdade dos 47 Ronin e a sua dedicação ao código do Bushidô.

A lenda dos 47 ronin é conhecida em todo o Japão, e já foi levada ao cinema mais de 80 vezes. A direção desta nova versão será de Carl Erik Rinsch, com roteiro de Chris Morgan e Hossein Amini.

As filmagens começam em Budapeste, na Hungria, agora em março, e depois se mudam para o Reino Unido. 47 Ronin estréia em 21 de novembro de 2012.

Mal posso esperar !!!!!!!!!!!!!!!

sábado, 12 de março de 2011

foto inédita do filme On the Road !!!!!



A Editora LPM que publica grande parte da obra de Jack Kerouac no Brasil, incluindo On the Road – Pé na estrada e On the Road, o manuscrito original – recebeu uma foto inédita das filmagens do filme de Walter Salles, que está em fase de montagem.

É uma imagem exclusiva em que Dean Moriarty, vivido pelo ator Garrett Hedlund, aparece “em transe”, cercado de garotas, dançando num bordel em Gregoria, norte do México. 

O interessante é que, em tempos digitais, a foto feita por Gregory Smith foi capturada com uma velha Leica M e filme Tri-x preto e branco. 

A produtora mk2, de Paris, responsável por On the Road, gentilmente escaneou a foto e enviou como um presente para a editora por publicar o mais famoso livro de Jack Kerouac no Brasil.

Neste sábado, 12 de março, marca o aniversário de 89 anos de Jack Kerouac.

Pintores Cubistas


Um extradordinário documento sobre o movimento cubista - acontecimento decisivo que influenciou todos os movimentos modernos que sacudiram o século XX - e sua época.

O poeta Apollinaire expressa com raro sabor documental o momento, o clima e as circunstâncias em que surguram os artífices do cubismo como Braque, Picasso, Gris, Lèger, Picabia, Duchamp e outros importantes pintores.


Imperdível !!!

Guillaume Apollinaire


Em 25 de agosto de 1880 nasce em Roma Guglielmo Alberto Wladimiro Alessandro Apollinare de Kostrowitzky, filho de mãe polonesa e de pai desconhecido. Até seus sete anos vive na Itália, onde aprende a ler e a escrever em italiano, além de falar o polonês.

Em 1887, a família Kostrowitzky muda-se para Mônaco. Do ano seguinte até 1895, Apollinaire e seu meio-irmão de cinco anos, Alberto Eugenio Giovanni, seguem seus estudos no colégio Saint-Charles de Mônaco. É nesse ambiente que Apollinaire começará seus primeiros escritos, firmando-os no Lycée de Nice, durante um breve período em que aí esteve matriculado.

Em 1897, depois de ser reprovado nobaccalauréat (exame que os estudantes franceses devem prestar, ao final do ensino médio, para ingressar no ensino superior), ele decide se dedicar intensamente à leitura, freqüentando a biblioteca de Nice, quando é inspirado pelo desejo de se tornar jornalista. Já nessa época, assina seus escritos sob o pseudônimo de Guillaume Macabre. De personalidade sensível, deixa transparecer seu espírito anarquista e dreyfusard (defensor de Alfred Dreyfus, oficial judeu do Exército francês condenado injustamente por traição).

Vivendo em condições bastante precárias e num ambiente familiar conflitante, Apollinaire aplica-se à escrita, vindo a produzir alguns contos. Aos 20 anos, depois de ter passado algum tempo na Bélgica, chega a Paris, onde se tornará colaborador do jornal Tabarin, um semanário satírico publicado em Montmartre (bairro parisiense de grande efervescência cultural e intelectual, conhecido por abrigar artistas e escritores). Assinando o nome Wilhelm Kostrowiztky, publica três poemas na revista La Grande France.

Convidado a trabalhar para uma família aristocrata de origem alemã, Apollinaire irá acompanhá-los através da Alemanha durante o ano de 1902, tendo conhecido Colônia, Hanover, Berlim, Dresden e Munique. Visita ainda Praga e Viena. Essa viagem inspirou-lhe poemas, contos e artigos que serão publicados quando de seu retorno à França.

Em Paris, torna-se colaborador do semanário L'Europpéen e a Revue Blanchepublica seus contos, quando passa a assinar como Guillaume Apollinaire. A partir de então, sua vida de escritor conhecerá um movimento ascendente: apesar de alguns reveses, Apollinaire familiariza-se cada vez mais com o ambiente literário parisiense, torna-se crítico e colabora para a imprensa local. E, em 1913, publica um livro de poemas intitulado Alcools (Alcoóis).

Apollinaire alista-se para defender o exército francês na Primeira Guerra Mundial. 

Ele transitará entre diferentes regimentos de Artilharia até que, em março de 1916, sofre um grave ferimento na têmpora direita. Seu período de convalescença será longo e doloroso.

No entanto, sua produção literária e jornalística continua em plena atividade. Em abril de 1918 é publicado Calligrames (Caligramas), obra que reúne poemas sobre a paz e a guerra, escritos entre 1912 e 1916.

Em 9 de novembro de 1918, vítima da gripe espanhola, Apollinaire morre em Paris, tendo legado à literatura de expressão francesa obras diversas: poemas, contos, romances, teatro, crônicas e críticas.

O percurso pessoal e profissional de Apollinaire esteve permeado pelo feminino. Muitas de suas obras são dedicadas a mulheres com quem viveu ou amargou os fracassos de um amor não correspondido.

A Louise de Coligny-Châtillon ele dedicará Poèmes à Lou (Poemas a Lou) e Je pense à toi mon Lou (Eu penso em ti minha Lou), reunindo poemas e cartas escritos durante o período em que esteve na guerra; a Madeleine Pages, À Madeleine Seule (Somente para Madeleine); a Jeanne-Yves Blanc, La marraine de guerre; a Jacqueline Kolb, La jolie rousse (A bela ruiva); a Marie Laurencin,Marie; e para Annie Playden, Annie. 

Apollinaire conviveu com os artistas de Montmartre e lá, onde a vida boêmia e cultural fazia-se plena de vigor, conheceu Pablo Picasso (de quem se tornou grande amigo), Georges Braque, Modigliani, a escritora Gertrude Stein, Max Jacob, dentre outros. 

Defensor de todas as vanguardas artísticas, notadamente o cubismo, e precursor do surrealismo, Apollinaire foi, além de escritor, um teórico aplicado e talentoso: sensível a uma poética ao mesmo tempo clássica e inovadora, cunhou o termo "caligramas" (um jogo com as palavras "ideograma" e "caligrafia") - e ousou ao suprimir toda a pontuação em sua obra Alcoóis.

Sabático - 1 ano


Hoje o suplemento literário do Estado de Sp completa 1 ano de vida.

O caderno é especializado em literatura, mas fala também do mercado editorial com a coluna Babel da Raquel Cozer e de outros jornalistas e escritores.

Hoje no Estado de Sp on line, há uma matéria especial em comemoração ao aniversário com um especial das 10 melhores matérias publicadas no jornal impresso que você pode ler aqui.


Vale a pena !!!

quinta-feira, 10 de março de 2011

Ópera

Enquanto nos países europeus as temporadas de óperas já estão confirmadas e muitas se realizando, no país do Carnaval só há previsões das montagens nos principais teatros brasileiros. 

No Teatro São Pedro em São Paulo, na programação por enquanto apenas a ópera Carmen de Bizet, mas é o Teatro com mais regularidade em apresentações desse tipo no país.

No Teatro Municipal também em São Paulo, não há uma programação e sim uma série de boatos sobre montagens de peças como Valquíria, Rigoletto e A Menina das Nuvens de Villa-Lobos.

No Festival Amazonas de Ópera, nada foi confirmado, apenas boatos sobre uma montagem de Trsitão e Isolda e Diálogo das Carmelitas de Poulenc.

No Rio de Janeiro foram anunciados 4 montagens Lucia di Lammermoor de Donizetti, Nabucco, Tosca e o Castelo do Barba-Azul. 

O Palácio das Artes em Belo Horizonte ainda não anunciou sua temporada de óperas.

Vamos torcer pra que não haja nenhum cancelamento e que em BH tenha montagens dignas de um cenário europeu.

Marcello Lopes

sexta-feira, 4 de março de 2011

Camelot


Ontem assisti ao 1° episódio da nova série do canal Starz, chamada Camelot. 

Filmada no interior da Irlanda, próximo da cidade de Dublin e também na Inglaterra, a série narra as aventuras do jovem Arthur, fruto da infidelidade do Rei Uther com a rainha Igraine da Cornuália.

No início da trama, Morgana (Eva Green) volta ao castelo de seu pai Rei Uther para reclamar seu lugar na família e ao ser recusada, Morgana envenena seu pai.

Merlin tenta salvá-lo mas não consegue, então o mago decide buscar Arthur que vive como plebeu sem saber de sua linhagem real. Mas Morgana não irá desistir tão facilmente do trono e decide lutar convocando antigos inimigos do seu pai e usando forças sobrenaturais para prevalecer sobre Arthur.



A trama é baseada no livro do séc.15 Le Morte D´Arthur de Thomas Malory, considerado um dos mais respeitados livros sobre lendas arturianas. 

A produção é dos mesmos criadores de The Tudors e pela nova série sobre os Bórgia. A encomenda do canal são de 10 episódios. 

A trilha sonora é dos irmãos Mychael e Jeff Danna, que criaram alguns dos mais lindos cds de música celta, e também diversas trilhas sonoras.

Se depender apenas da abertura da série, o estúdio pode começar a filmar a 2° temporada, uma mistura de música celta com cânticos em latim, cenas da espada Excalibur, chamas e flashs de batalhas. 

Jamie Campbell Bower como Arthur
Só não gostei muito da escolha do Jamie Campbell Bower como Arthur, que trabalhou em Harry Potter, não consegui identificar um rei Arthur convincente, talvez nas próximas temporadas ele seja substituído por alguém mais, digamos, viril, por que ele tem cara de moleque.

Seguindo o sucesso de séries como Spartacus e The Tudors, os episódios são recheados de cenas de sexo, e violência, utilizando cortes rápidos e uma câmera bem próxima dos atores dando a impressão que estamos próximos da ação.


Elenco : 
  • Joseph Fiennes como Merlin 
  • Eva Green como Morgana 
  • Tamsin Egerton como Guinevere
  • Jamie Campbell Bower como Arthur 
  • Claire Forlani como Igraine 
  • Peter Mooney como Kay
  • Philip Winchester como Leontes 
Beldades 


Eva Green como Morgana


Tamsin Egerton como Guinevere

Claire Forlani como Igraine
Marcello Lopes