segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

John Barry


O compositor britânico John Barry, ganhador de cinco prêmios Oscar e conhecido por ser autor de trilhas musicais para os filmes do personagem James Bond, morreu no domingo aos 77 anos, segundo nota divulgada pela família por intermédio da produtora EON.

Barry fez as trilhas de 11 filmes do agente 007 - começando por Moscou Contra 007 (1963). No ano anterior, ele já havia feito arranjos para a trilha de O Satânico Dr. No, filme inaugural da série.

Barry nasceu em 1933 em York, e numa entrevista há quase dez anos contou ter testemunhado os efeitos dos bombardeios nazistas de 1942 sobre a cidade inglesa - experiência que teria um profundo impacto na sua música.


"Tenho uma forte atração por temas que lidem com a perda", disse ele, comentando seus trabalhos para o cinema. Entre Dois Amores, Dança com Lobos, Em Algum Lugar do Passado - todos esses filmes são sobre uma sensação de perda. Não sei se isso vem da Segunda Guerra Mundial. Isso deixa uma marca, não sei como poderia não deixar."

Barry estudou piano clássico, mas se voltou para o jazz e aprendeu trompete. No final da década de 1950, formou um septeto com o seu nome, e chamou o guitarrista Vic Flick - autor dos clássicos acordes que identificam o personagem James Bond.


O músico começou a fazer arranjos para cantores numa série de TV, e estreou no cinema com a trilha de Beat Girl (1960).

Ganhou Oscars por Dança com Lobos, Entre dois Amores, O Leão no Inverno e A História de Elza (dois).

Recebeu também quatro Grammys e uma homenagem da Bafta (Academia Britânica de Artes Cinematográficas e Televisivas) em 2005.

Fonte: Estado de Sp
Fotos: Google

Sindicato de atores de Hollywood premia Natalie Portman e Colin Firth


Para aquecer ainda mais as apostas sobre os vencedores do Oscar, ontem foi entregue os prêmios do Sindicato de Atores de Hollywood. 

Colin Firth recebeu o prêmio de melhor ator em seu trabalho como rei Jorge VI no filme O Discurso do Rei e Natalie Portman recebeu como melhor atriz pelo seu trabalho em Cisne Negro.


O filme O Discurso do Rei, de Tom Hooper  ganhou o prêmio de Melhor Elenco.

O Vencedor conseguiu os prêmios de Melhor Ator Coadjuvante e Melhor Atriz Coadjuvante, que foram para Christian Bale e Melissa Leo.

Agora é esperar se a Academia irá seguir a mesma escolha.


Marcello Lopes

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

De Cuba, com carinho


Finalmente terminei de ler De Cuba,com carinho que estava guardado fazia tempo na estante de casa e por causa da mudança de endereço foi esquecido em uma das inúmeras caixas de livros que estão espalhadas pelo apartamento.

O livro é sobre Yoani Sánchez, uma cubana que escreve sobre a vida em Cuba e seus moradores, bem como as dificuldades de se conseguir ter uma vida digna em um país regido por uma ditadura.

A economia cubana naufragou desde que os russos deixaram de ajudá-los, os bens de consumo são escassos, e a censura é avassaladora.

Yoani Sánchez
Yoani foi eleita pela revista Time uma das 100 pessoas mais influentes do mundo, e mesmo assim sofreu um sequestro e agressões de homens ligados ao governo por mostrar as verdades de seu país, mesmo sem discutir política o que nem é preciso.

Seu blog seria apenas mais um na imensidão da web se não fosse pelo caráter sócio-político que sua dona se encontra, a revolução cubana é hoje uma sombra de desespero e egoísmo dos que a conceberam, uma utopia que virou refém da ditadura. Muitos argumentam aqui no Brasil que Cuba é o modelo a ser seguido, com mortalidade baixa, médicos e universidades pra todos, tudo fumaça, na Cuba real, os moradores concordam com Fidel da boca pra fora para não serem mortos ou presos, e por detrás dessa máscara tentam sobreviver como podem.

Para escrever no blog já que a internet é controlada pela polícia, se fazia passar como turista alemã para acessar nos hotéis de luxo.

O regime cubano é uma farsa, sustentada por homens retrógrados e orgulhosos demais pra desistirem desse sonho estéril que é o comunismo, e quem vê com bons olhos esse tipo de regime ou é idiota ou aceita com bons olhos o embargo intelectual e humanitário com o qual os irmãos Castro conduzem a ilha.

Seu blog é http://www.desdecuba.com/generaciony/ e o seu twitter é @YOANISANCHEZ

-> Seu site tem uma média de 10 a 12 milhões de acessos mensais, só na versão em espanhol.

Recomendo aos "vermelhos de boutique" por que é muito fácil se dizer comunista no Brasil onde se tem tudo, liberdade pra escrever o que quiser e ler o que quiser.

Resenha: Marcello Lopes
Fotos: Editora Contexto


quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Seal


O cantor Seal volta ao Brasil para uma série de shows, que acontecerão nos dias 17, no Credicard Hall, em São Paulo; 19, no Citibank Hall, no Rio de Janeiro; 20, no Chevrolet Hall, em Belo Horizonte; 23, no Ginásio Nilson Nelson, em Brasília; 26, no Siara Hall, em Fortaleza; e 27, no Chevrolet Hall, em Recife.


Seal vem ao Brasil para divulgar seu sexto álbum, "Seal 6: Commitment", que foi lançado em setembro do ano passado.

Para as apresentações de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília e Fortaleza, clientes Credicard, Citibank e Diners poderão comprar ingressos em pré-venda exclusiva entre 26 de janeiro e 1º de fevereiro.

Já a venda para o público em geral acontece a partir de 02 de fevereiro.

As informações sobre pré-venda e venda do show em Recife, além de valores e serviço de toda a turnê, serão divulgadas em breve.

Fonte: Folha de Sp

Bernd Eichinger


O diretor e produtor Bernd Eichinger faleceu nessa 3° feira, vítima de um ataque cardíaco.

Bernd foi diretor de Eu, Christiane F., de 1982, História Sem Fim e O Nome da Rosa.


Como roteirista, Eichinger foi indicado ao Oscar em 2004 por A Queda, que retrata os últimos dias de Adolf Hitler no seu bunker em Berlim.

O filme, do qual ele também foi produtor, quebrou um tabu entre os cineastas da Alemanha do pós-guerra, temerosos de humanizarem a figura do ditador nazista ao fazê-lo ser interpretado por um ator. Até então, os filmes alemães tendiam a só mostrar Hitler em imagens reais de arquivo.


Eichinger também tratou do tema da guerrilha esquerdista Fração do Exército Vermelho, em seu filme O Grupo Baader Meinhof (2008). 




O Perfume (2006), baseado num romance de Patrick Sueskind, conta a história de um jovem com olfato super-apurado, que comete um homicídio ao buscar o perfume perfeito.

Marcello Lopes
Fonte: Estadão
Fotos: Google

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Oscar 2011


A lista com os concorrentes ao maior prêmio da indústria cinematográfica já foi publicado, e em 9 de Fevereiro veremos quem será os ganhadores.

Muitos críticos apontam O Discurso do Rei como favorito, mas eu acredito que a Rede Social vá abocanhar pelo menos uns 5 prêmios da noite, inclusive melhor filme, não são os meus palpites, apenas sinto que a Indústria vá ajudar bastante o filme e o Facebook, hoje uma das mais valiosas empresas do mundo valendo 50 bilhões de dólares.

Meus palpites estão em negrito. 

Melhor Filme

Cisne Negro
O Vencedor
A Origem
Minhas Mães e Meu Pai
O Discurso do Rei
127 Horas
A Rede Social
Toy Story 3
Bravura Indômita
Inverno da Alma

Melhor Direção

Darren Aronofsky, Cisne Negro
David Fincher, A Rede Social
Tom Hooper, O Discurso do Rei
David O. Russell, O Vencedor
Joel & Ethan Cohen, Bravura Indômita

Melhor Ator

Javier Bardem, Biutiful
Colin Firth, O Discurso do Rei
James Franco, 127 Horas
Jesse Eisenberg, A Rede Social
Jeff Bridges, Bravura Indômita

Melhor Ator Coadjuvante

Christian Bale, O Vencedor
John Hawkes, Inverno da Alma
Mark Ruffalo, Minhas Mães e Meu Pai
Geoffrey Rush, O Discurso do Rei
Jeremy Renner, Atração Perigosa

Melhor Atriz

Annette Bening, Minhas Mães e Meu Pai
Nicole Kidman, Reencontrando a Felicidade
Jennifer Lawrence, Inverno da Alma
Natalie Portman, Cisne Negro
Michelle Williams, Namoradas para Sempre

Melhor Atriz Coadjuvante

Amy Adams, O Vencedor
Helena Bonham-Carter, O Discurso do Rei
Melissa Leo, O Vencedor
Hailee Steinfeld, Bravura Indômita
Jacki Weaver, Animal Kingdom

Melhor Filme Estrangeiro

Biutiful (México)
Dogtooth (Grécia)
Em Um Mundo Melhor (Dinamarca)
Incêndios (Canadá)
Fora da Lei (Algéria)

Melhor Roteiro Original

Christopher Nolan, A Origem
David Seidler, O Discurso do Rei
Mike Leigh, Another Year
Scott Silver, Paul Tamasy & Eric Johnson, O Vencedor
Lisa Cholodenko e Stuart Blumberg, Minhas Mães e Meu Pai

Melhor Roteiro Adaptado

Aaron Sorkin, A Rede Social
Marguerite Roberts, Bravura Indômita
Danny Boyle, Simon Beaufoy, 127 Horas
Debra Granik, Anne Rosellini, Inverno da Alma
Michael Arndt, Toy Story 3

Melhor Filme de Animação

Como Treinar o Seu Dragão
O Ilusionista 
Toy Story 3

Melhor documentário

"Lixo Extraordinário"
"Trabalho Interno"
"Exit Through the Gift Shop"
"Gasland"
"Restrepo"

Melhor trilha sonora

Hans Zimmer - "A Origem"
Trent Reznor e Atticus Ross - "A Rede Social"
Alexandre Desplat - "O Discurso do Rei"
John Powell - "Como Treinar o seu Dragão"
A.R. Rahman - "127 Horas"

Melhor canção original

"Coming Home" - "Country Strong"
"I See the Light" - "Enrolados"
"If I Rise" - "127 Horas" 
"We Belong Together" - "Toy Story 3"

Melhor edição

"127 Horas"
"Cisne Negro"
"A Rede Social"
"O Discurso do Rei"
"O Vencedor"

Melhor fotografia

"A Origem"
"Cisne Negro"
"A Rede Social"
"O Discurso do Rei"
"Bravura Indômita"

Melhor figurino

"O Discurso do Rei"
"Bravura Indômita"
"Alice no País das Maravilhas"
"I am Love"
"The Tempest"

Melhor direção de arte

"Alice no País das Maravilhas"
"A Origem"
"O Discurso do Rei" 
"Bravura Indômita"
"Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte I"

Melhor mixagem de som

"Salt"
"A Origem"
"O Discurso do Rei"
"Bravura Indômita"
"A Rede Social"

Melhor edição de som

"Toy Story 3"
"Tron - O Legado"
"A Origem"
"Bravura Indômita"
"Incontrolável"

Melhor maquiagem

"O Lobisomem"
"Caminho da Liberdade" 
"Minha Versão para o Amor"

Melhores efeitos visuais

"Além da Vida"
"A Origem" 
"Homem de Ferro 2"
"Alice no País das Maravilhas"
"Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte I"

Melhor curta-metragem

"The Confession"
"The Crush"
"God of Love" 
"Na Wewe"
"Wish 143"

Melhor documentário em curta-metragem

"Poster Girl"
"Strangers no More"
"Killing in the Name"
"Sun Come Up"
"The Warriors of Qiugang"

Melhor curta-metragem de animação

"Day & Night"
"Let's Pollute"
"The Lost Thing"
"The Gruffalo"
"Madagascar, Carnet de Voyage"

Façam suas apostas, reservem as pipocas e dia 9/02 veremos os resultados.

Marcello Lopes

Um Diário Russo


Em meados de 1947, dois dos mais renomados artistas do Ocidente fizeram juntos uma viagem desafiadora. Descontentes com a manipulação das notícias sobre a ex-URSS na imprensa norte-americana e tomados de autêntico espírito jornalístico, John Steinbeck (1902-1968) - autor de As Vinhas da Ira - e o premiado fotógrafo Robert Capa (1913-1954) partiram para Moscou no início da chamada Guerra Fria, que por mais de quarenta anos dividiria politicamente o planeta em facções antagônicas.

As brilhantes imagens de Capa - feitas em Moscou, na devastada Stalingrado, na Ucrânia e na Geórgia - e os textos do livro falam sobre a terra russa arrasada pela guerra, os hábitos populares e o comportamento dos anfitriões ligagos à cúpula comunista. 

Em tom bem-humorado e muitas vezes emocionado, Steinbeck revelava ao mundo que "o povo russo também tinha uma vida privada, da qual nada sabíamos, pois ninguém se dera ao trabalho de tomá-la como tema de seus relatos e fotos". 

O resultado dessa excepcional colaboração entre dois dos mais combativos homens de nosso tempo é uma obra do mais alto nível, entre a literatura de viagem e o romance-reportagem.

Fonte: Cosac & Naify Editora

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Aleph lança curtas transmídia baseada em livro


A editora Aleph inova e transforma os livros da escritora maranhense Nazarethe Fonseca em websérie.

Dividida em 3 episódios de 5 min cada a websérie tem um enfoque de narrar a história em diversas plataformas de mídia (transmídia). 

Você pode assistir o 1° episódio aqui.

A websérie é uma boa ferramenta para alavancar as vendas dos livros e para conseguir novos seguidores, as cenas da série foram filmadas no interior de sp, com produção da Delicatessen, efeitos da Jukebox e direção de Caio Cobra.

Nazarethe Fonseca  é autora de Alma e Sangue, – O despertar do vampiro, O império dos vampiros e O pacto dos vampiros – e que terá seu desfecho no próximo livro, A rainha dos vampiros. Seu Twitter (@Nazarethe e e-mail de contato é almaesangue@gmail.com

Eu particularmente não gostei, talvez porque não me interessa a produção cinematográfica brasileira que para quase todos os filmes para telona me cheiram a pseudo-novela, logicamente tirando os 2 filmes do Tropa de Elite, nessa série achei os atores muito canastrões, apesar da atriz que faz a vampira ser bonita mas não convence.

Quem assiste True Blood sabe do que eu estou falando.

Texto: Marcello Lopes
Fonte da notícia: Publishnews

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Torre Negra


Fãs de Stephen King animai-vos !!!!!!!!!!!!!

Ron Howard tem um projeto de 3 filmes e uma série de tv adaptando a série Torre Negra.

Pelo que eu andei lendo nos sites mais especializados que o meu, o diretor está com o roteirista de Uma Mente Brilhante para tentar transformar essa obra imensa em algo possível para a tv e cinema.


Howard disse que independente de quais atores forem escolhidos o comprometimento deles terá que ser enorme, mais ou menos parecido com o que o elenco de Senhor dos Anéis fez ao morar na Nova Zelândia ou o pessoal de Lost morando no Havaí, apenas pra citar uma série de tv e um filme épico.

Para o diretor, os planos são um filme de abertura, uma série com 6 horas de duração, o que daria uns 9 capítulos com 40 min cada, um segundo filme mostrando Roland ainda jovem e um terceiro filme mostrando-o idoso.

Texto: Marcello Lopes
Fonte: Vários sites.

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Vaticano ordenou que abusos fossem omitidos

Um representante do Vaticano pediu à Igreja Católica da Irlanda que não informasse as autoridades civis do país sobre sacerdotes supostamente envolvidos em abusos sexuais contra menores, revela uma carta enviada a partir de Roma em 1997 publicada nesta quarta-feira, 19, pela emissora local "RTE".

Dirigida aos bispos irlandeses, a carta critica uma iniciativa que pretendia "informar por obrigação" qualquer denúncia de abuso, política que gerou "sérias reservas" entre as autoridades vaticanas.

A carta, assinada pelo falecido arcebispo Luciano Sotero, que representava diplomaticamente na Irlanda o papa João Paulo II, poderia servir como prova nos julgamentos que os grupos de vítimas têm abertos neste país e nos EUA, assinala a RTE.

"A situação de informar por obrigação provoca sérias reservas de natureza tanto moral quanto canônica (...) Os resultados podem ser altamente embaraçosos e prejudiciais para as mesmas autoridades diocesanas", escreveu Sotero.

O arcebispo advertiu, à época, que os bispos que aplicassem castigos à margem da lei canônica poderiam ver suas decisões revogadas, se estas acabassem sendo examinadas em Roma.

Segundo a RTE, o Vaticano se defendeu lembrando que essa era a visão de um departamento em particular, a Congregação para o Clero, cuja tarefa de cuidar dos casos de abusos sexuais foi assumida em 2001 pela Congregação para a Doutrina da Fé, liderada pelo cardeal Joseph Ratzinger, hoje o papa Bento XVI.

Os analistas opinam que a carta não terá nos tribunais o impacto desejado pelas vítimas já que o conteúdo não é uma ordem, tampouco partiu da direção oficial, apenas representa a opinião de uma determinada autoridade.

-> Ok, o arcebispo até então no cargo representa quem ? Ele mesmo ? Ou a Instituição religiosa onde ele trabalha e que dela vive ? Duvido que um arcebispo não tenha sido instruído por membros hierárquicos mais altos a escrever a carta. A Igreja deveria começar a se responsabilizar por atos como esses e deixar a hipocrisia de lado.
Essa instituição que vive ainda no século 1, não tem o menor respeito pelas pessoas, pelos próprios seguidores, visto que até hoje a mulher tem um papel secundário na instituição, seus cardeais e bispos vivem na opulência bancados pelo banco do Vaticano, um dos mais poderosos bancos do mundo.
Todo cerimonial da Igreja é medieval, dizer que esses homens são os intermediários de Deus é uma piada suja e sem graça.

Até quando esse tipo de instituição irá existir ? Até quando as pessoas serão doutrinadas pela mentira e por hipocrisias ? 

Fonte: Estado de Sp
Comentário: Marcello Lopes

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Paul Cézanne


Paul Cézanne nasceu em 19 de Janeiro de 1839, em Aix-en-Provence. O seu pai, Louis­-Auguste Cézanne, é negociante e exportador de chapéus de feltro. A mãe, Anne-Elisabeth Honorine Aubert, é filha de um torneiro marselhês. Paul foi batizado em 22 de Fevereiro na igreja de Santa Madalena, os pais só casaram em 1844. No ano de 1852 ele freqüenta o Collêge Bourbon (hoje Licée Mignet) onde começa amizade com Jean­-Baptiste Baille e Emile Zola, cujo pai trabalha num projeto de barragem em Aix. Eles fizeram numerosas excursões nos arredores de Aix.

Por vontade do pai, em 1859, Cézanne começa contrariado, estudo de Direito na Universidade de Aix. Livre do serviço militar, dado que o pai pagava quem o substitua, recebe o segundo prêmio da Escola especial de desenho por um estudo de figura. Louis Auguste Cézanne adquire o Jas de Bouffan, perto de Aix, que é a antiga residência do governador da Provença.


Reside em Paris de Abril a Setembro de 1861. Estuda nus na Academia Suíça onde encontra Camille Pissarro. Começa, então, um retrato de Zola e não o acaba. Regressa a Aix desanimado e entra para o banco do pai e retoma os estudos na Escola de Desenho de Aix.Arranja um estúdio no Jas de Bouffan no ano de 1862. Deixa o banco e abandona a carreira jurídica. Volta para Paris em Novembro com uma pensão mensal de 125 francos.

Em 1863 trabalha regularmente na Academia Suíça onde encontra, além de Achille Empéraire e Pissarro, Renoir, Monet e Sisley. Foi reprovado na Escola das Belas-Artes já que possuía temperamento de um colorista, mas ele exagerava.


Participa, em 1863, no Salão dos Recusados com Manet, Pissarro, Jongkind, Guillaumin, Whistler, Fantin-Latour e outros.Começa então a pintar quadros demoníacos e expressivos num estilo lançado e selvagem. Faz freqüentemente cópias no Louvre, em especial de telas de Delacroix.

É recusado, em 1866, no Salão, envia, por sua vez uma carta de protesto ao diretor das Belas-Artes. Trava conhecimento com Manet, que elogia as suas naturezas-mortas.Começa também os primeiros ensaios de pintura ao ar livre. Fica em Aix a partir de Agosto e faz o retrato do pai lendo um jornal.


Novamente é recusado no Salão em 1869. Conhece Hortense Fiquet, de 19 anos de idade e encadernadora de profissão.

Tenta novamente entrar no Salão, mas é recusado em 1870 e 1871. Passa o tempo que dura a Guerra Franco-Alemã em l’Estaque, na companhia de Hortense. Acaba o período tumultuoso com quadros sombrios e expressivos. Volta a Paris depois da Comuna.


Nasce o seu filho Paul em 1872. Instala-se com a família em Auvers-sur-Oise, onde pinta quadros com Pissarro. Logo, em 1873 pinta na casa do doutor Gachet. Trava conhecimento com o negociante de tintas Julien Tanguy que troca material de pintura pelos seus quadros. Encontra Van Gogh na casa Tanguy.

Tem sua primeira exposição coletiva, em 1874, dos impressionistas em casa do fotógrafo Nadar. Os quadros de Cézanne fazem escândalo (A Casa do Enforcado em Auvers, Uma Olímpio Moderna). No Verão fica em Aix e a partir de Setembro, fica outra vez em Paris.


Recusado no Salão, novamente em 1875. Renoir arranja-lhe um encontro com Victor Chocquet, inspetor das alfândegas e crítico amador de arte, que se tornará um dos seus mais fiéis colecionadores. Participa, em 1877, na terceira exposição impressionista com 16 quadros e suscita ainda uma vez mais violentas críticas.

Passa o ano de 1878 em Aix e em l’Estaque enquanto Hortense e Paul vivem em Marselha. O pai toma conhecimento da existência deles e reduz a pensão mensal. Zola ajuda-o financeiramente. E é novamente recusado no Salão.


Em 1879 é recusado no Salão. No Outono, visita Zola em Médan. Desconcertado com o luxo do amigo, Cézanne afasta-se de Zola.

Em 1885 é outra vez recusado no Salão. Decide não enviar mais obras para lá. Passa uma grande parte deste ano e do ano seguinte em Aix e nos arredores da cidade.

Ruptura com Zola após a publicação do romance L’Oeuvre que descreve a vida de um artista fracassado. Casa por sua vez com Hortense Fiquet. O pai de Cézanne morre em Outubro e ele herda uma fortuna considerável.


Vive principalmente em Aix, em 1887. Pinta com Renoir no Jas de Bouffan. Apresenta três quadros na exposição Les XX em Bruxelas, isso em 1890. No Verão, passa cinco meses com a sua família.

No Outono, está outra vez em Aix. Sofre de diabetes. 

Primeira exposição individual em Dezembro de 1895, na casa do negociante de arte parisiense Ambroise Vollard. Pinta em 1896 na pedreira de Bibémus.

Conhece o escritor Joachim Gasquet. A mãe de Cézanne morre em Outubro. A National galerie de Berlim compra um quadro de Cézanne. É a sua primeira tela em um museu.

Trabalha em Aix, 1898, perto do Chateau Noir. Depois, outra vez fica um longo tempo em Paris. Em 1899, fica em Paris até o Outono e, depois, regressa a Aix onde ficará durante cinco anos quase sem interrupção.

Venda do Jas de Bouffan. Aluga uma pequena casa em Aix e contrata uma governanta. A mulher e o filho vivem, sobretudo em Paris.Uma nova exposição individual na Casa Vollard. As suas telas atingem somas consideráveis.

Jas de Bouffan
Três dos seus quadros estão na exposição centenária de Paris, em 1900. O negociante de arte Cassirer organiza em Berlim uma exposição individual. Não é vendida qualquer tela.

Participa no Salão dos Independentes, 1901, em Paris e em exposições em Bruxelas e na Haia. Compra um terreno no Chemin des Lauves, acima de Aix.

Em 1902 muda para o seu novo estúdio, Chemin des Lauves. 

Morte de Zola em Setembro. 

A venda da coleção Zola no decurso da qual as obras de Cézanne, 1903, atingem um preço médio de 1.500 francos. Expõe na Secessão Vienense.

Neste mesmo ano, Pissarro morre.

Visita de Emile Bemard, em 1904, que o vê pintar. Vai a Paris para participar no Salão de Outono. Expõe trinta telas. 

Em Berlim, segunda exposição individual na Casa Cassirer. As suas relações com os outros se tornam cada vez mais difíceis. A diabetes enfraquece-o cada vez mais.


Expõe seus quadros no Salão de Outono, em 1905, e nos Independentes. O negociante de arte Durand-Ruel envia dez dos seus quadros à exposição impressionista de Londres.

Participa no Salão de Outono em 1906 mais uma vez. No mesmo ano, Cézanne é surpreendido por uma tempestade no dia 15 de Outubro e morre 7 dia depois de uma pneumonia. Cézanne é enterrado no cemitério Saint-Pierre d’Aix.

Acontece em 1907, a Grande Retrospectiva no Salão de Outono com 56 quadros de Paul Cézanne. 

Em 1954 O estúdio do Chemin des Lauves é aberto ao público.

Fotos: Google
Texto: " Cézanne " 
Autor: Ulrike Becks-Malorny.
Editora: Taschen

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Spartacus - Blood and Sand


Triste notícia para os fãs do ator Andy Whitfield, ele não retorna à série Spartacus por ainda batalhar contra um câncer linfático, em seu lugar foi escolhido o ator australiano Liam McIntyre.

Liam teve um pequeno papel na série The Pacific, a previsão das filmagens é em Maio e a série será exibida em 2012, antes poderemos assistir uma série que conta a história do Ludus onde Spartacus se torna gladiador, chamada Gods of the Arena.

Andy Whitfield



Na segunda parte de Spartacus, ele irá liderar e treinar um exército de escravos contra os soldados romanos.

Um motivo para assistir Gods of the Arena
Marcello Lopes
Fotos: Omelete e Portal de Cinema

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Band of Brothers - Série, Livro e História



A Easy Company é o regimento mais conhecido no cinema americano, foi uma das melhores companhias de pára-quedistas do mundo e o livro Band of Brothers relata à partir de entrevistas com soldados e oficiais, bem como cartas e diários dos mesmos para construir esse livro.

Foi o regimento que mais teve baixas em todas as Guerras, e que 95% dos seus homens receberam a medalha Purple Heart pelo menos uma vez, era sempre o regimento que recebia as missões mais complicadas, tendo as mais diversas tarefas desde saltar de pára-quedas na França à captura do QG de Hitler na Alemanha.

O livro é sensacional pelo tom de documentário que Ambrose dá ao livro, por detrás dos fatos e batalhas, os depoimentos dos soldados que participaram dando total veracidade à narrativa.

Tenente Winters

William "Wild Bill" Guarnere

O Verdadeiro Buck Compton (amarelo)
História da Easy Company

O 506º Regimento de Infantaria Pará-quedista é um regimento de infantaria pára-quedista voluntária, parte da divisão 101ª Divisão Aerotransportada, criado pouco depois dos americanos entrarem na 2° Guerra Mundial.

O regimento continha nove companhias, as mais famosas eram : Able, Backer, Dog, Easy, Fox.

Seus soldados foram treinados no Campo Tocooa, na Geórgia, seu comandante era o coronel Sink.

O primeiro combate que participaram foi na madrugada de 6 de junho de 1944, no famoso Dia D, o seu objetivo era aterrisar na Normandia atrás das linhas inimigas, tomar uma bateria de canhões em Sainte-Marie-du-Mont, proteger as saídas sul da praia Utah, as norte de Omaha e tomar a cidade de Carentan.

Seus objetivos foram completados, apesar dos erros de aterrisagem devido a alta concentração de armas antiaéreas nazistas na região.

Depois que os exércitos aliados libertaram a França, o regimento foi designado para fazer uma ruptura nas linhas de defesa alemãs concentradas na Holanda, eles teriam de fazer uma brecha de Eindhoven até Arnhen, para que os blindados britânicos pudessem prosseguir, a operação ficou conhecida como Market Garden.

Mas quando os jovens pára-quedistas alcançaram a cidade, encontraram muita resistência, e tiveram de retroceder, a operação falhara. Após a derrota, os exércitos aliados conseguiram ocupar a região da Bélgica e da Holanda, e no inverno 16 de dezembro de 1944, os exércitos alemães realizaram uma contra ofensiva na Bélgica, na floresta das Ardenas, no primeiro dia avançaram cerca de 80 km nas linhas de defesas aliadas.

Havia uma cidade chamada Bastogne, era o entroncamento chave para as Ardennes, os alemães queriam tomá-la, a divisão que a defendia foi rechaçada, então a 101st Airborne e o regimento 506 foram designados para defender a cidade que seria crucial para a batalha. A divisão ficou cercada, sem comida, sem munição e sem hospitais, mas resistiram até a chegada dos blindados, após isso expulsaram os alemães da Bélgica.

Malarkey
Depois invadiram o norte da Alemanha, tomaram o "ninho da águia" de Hitler e acamparam nessa região até o fim da guerra.

O regimento ficou famoso pelos atos de coragem realizados por seus integrantes, como em casos não registrados em que soldados escalaram tanques alemães e jogaram granadas dentro deles, a companhia que mais se destacou na segunda guerra foi a "Easy" sob o comando de Richard Winters, seus soldados foram os mais condecorados do regimento, a companhia "Easy" foi conhecida também como "a companhia de heróis".

Após a segunda grande guerra, participaram da Guerra do Vietnã, Guerra do Golfo, e em 2004 na Guerra do Iraque.

Relação de soldados da Easy com atuações e publicações sobre o conflito:  


  • Donald Burgett, da companhia A, lutou na Normandia até o fim da guerra. Ele escreveu quatro livros sobre seu tempo na companhia.
  • Primeiro Tenente Lynn Compton, oficial da Companhia E durante a Segunda Guerra Mundial e procurador-chefe. Ele publicou um livro chamado "Call of Duty: My Life before, during and after the Band of Brothers".
  • Sargento William "Wild Bill" Guarnere, um suboficial da Companhia E, tem um site dedicado à história do regimento.
  • Sargento Donald Malarkey, suboficial, serviu na Easy Company durante toda a guerra. Publicou um livro chamado "Easy Company Soldier".
  • Soldado David Webster, um fuzileiro e diarista da Companhia E, cujo livro "Parachute Infantry" conta detalhes do regimento.
  • Major Richard Winters, terminou a guerra como comandante do 2º Batalhão. Publicou um livro de memórias sobre seu serviço de guerra ("Beyond Band of Brothers") e também foi o tema de uma biografia ("Biggest Brother").

O Filme

Tom Hanks e Spielberg filmaram juntos O Resgate do Soldado Ryan e à partir daí surgiu projetos para filmes sobre a 2° Guerra que culminaram na produção de Band of Brothers com um orçamento de 120 milhões de dólares, com 10 capítulos baseados no livro de Ambrose.

A série mostra a criação da Easy Company, seu treinamento e todos os grandes conflitos na Europa, mostrando os soldados como homens comuns e não como Rambo ou esteriótipos de Hollywood.

Cada roteiro foi cuidadosamente escrito e mostrado aos sobreviventes para corrigir alguns erros e conferir um tom de veracidade ainda maior à narrativa.

Mais de 12 mil pessoas trabalharam na produção da série, entre extras, produção e pós-produção.

17 milhões de dólares somente para construir as 17 cidades por onde são encenadas as  missões da Easy.

A abertura da série já dá um tom emocionante com os sobreviventes dando seu relato sobre cada capítulo (cada capítulo tinha o nome de uma cidade ou missão que eles cumpriram).

No elenco, destaque para Damian Lewis como tenente Winters.



Episódios: 

  1. Currahee 
  2. Day of Days 
  3. Carentan 
  4. Replacements 
  5. Crossroads 
  6. Bastogne 
  7. The Breaking Point 
  8. The Last Patrol 
  9. Why We Fight 
  10. Points 
Existe também um documentário chamado We Stand Alone Together realizado por Mark Cowen na qual participam os verdadeiros homens da Companhia Easy em entrevistas detalhadas.


Texto: Marcello Lopes
Pesquisa histórica e Fotos: Google

Arséne Lupin


Produção em conjunto de França-Inglaterra-Espanha-Itália de 2004, com Romain Duris, Kristin A. Scott Thomas e Eva Green.

A história de Arséne Lupin que descobre quando criança que seu pai era um ladrão profissional, mas ao invés de rejeitá-lo o garoto segue os passos do pai, assassinado no começo do filme depois de um roubo frustrado.

Quando adulto, Arséne incorpora um ladrão charmoso e educado, que consegue furtar jóias e objetos sem que as pessoas percebam, diferentemente de outros ladrões, Arséne nunca mata, só rouba de ricos e nunca rouba a mesma pessoa duas vezes.

O filme tem uma fotografia belíssima, trilha sonora bem cuidada, Romain Duris não é tão conhecido no Brasil, mas leva o papel com muita criatividade, Eva Green é sempre um colírio (Já disse aqui no Blog que ela é a Sibila mais linda do cinema) e Kristin é sempre bela e competente.

O personagem é uma criação de Maurice Le Blenc de 1907 que escreveu o livro Ladrão de Casaca ou Arséne Lupin, o ladrão cavalheiro.

O personagem foi criado à partir de uma encomenda de uma revista francesa ao autor.


O personagem do livro como do filme é inteligente, desafiando todas as regras e fazendo as mulheres se apaixonarem por ele mesmo sendo roubadas.

O escritor colocou Arséne confrontando-se diversas vezes com um detetive chamado Herlock Sholmes, uma clara referência ao personagem criado por Doyle.


O livro foi adaptado diversas vezes desde que foi lançado, em 1937, em 1956, 1962 e contou com uma série na tv francesa.

Marcello Lopes

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Super-Heróis, novos filmes e novas promessas

Está chegando a hora de assistirmos aos filmes dos nossos heróis favoritos, mas junto com essa ansiedade carregamos a dúvida cruel : - Será que vai ser legal ?

Conversando com amigos e lendo alguns blogs especializados em cinema como o O Omelete, Judão pude sentir que existe muita desconfiança por parte dos fãs em relação à escolha de elenco, trailers, vestuário e principalmente o roteiro.

As apostas são diversas e como cada um puxa a "sardinha" pro seu lado, vou dar meus pitacos aqui e quem quiser fique à vontade pra concordar ou discordar.

O primeiro filme de super-heróis que eu quero assistir e no cinema é Thor, por vários motivos, entre eles o elenco conta com Sir Anthony Hopkins e isso já diz muito, o diretor é Kenneth Branagh e isso conta mais ainda, só lembrar de Henrique V ou o sensacional Morrer De Novo onde ele atuava com a sua esposa na época Emma Thompson.

Assisti o trailer e fiquei muito empolgado com o que vi, lutas na medida certa, elenco de apoio muito bom.



Os mitos nórdicos me atraem bastante também, a dualidade em Asgard com Loki e Thor, a redenção de um guerreiro depois do exílio forçado na Terra são ingredientes importantes nesse filme.

Esse sem dúvida está no topo de minha lista, e devo assistir sim no cinema.


Bom, o segundo da minha lista é o filme do Capitão América, primeiro por que é um dos meus heróis preferidos dos quadrinhos, segundo por que considero os EUA minha segunda pátria, e terceiro porque o filme se passa na 2° Guerra.

O elenco parece equilibrado, Chris Evans como personagem principal será um desafio, mas em contrapartida teremos Hugo Weaving como o Caveira Vermelha, Tommy Lee Jones, Stanley Tucci e o Nick Fury mais brother de todos os tempos Samuel L. Jackson e isso ajuda a manter o roteiro em ordem.

A Direção é do Joe Johnston que fez Lobisomem e que eu nem perdi meu tempo pra assistir, mas vamos torcer pra que ele acerte a mão.

Existe o projeto de um segundo filme com o Capitão América onde ele se encontra com vários outros heróis entre eles Homem de Ferro, Hulk e Thor no que é a formação dos Vingadores em 2012.


O terceiro filme nas minhas apostas é Lanterna Verde, herói criado em 1940, teve uma reformulação em 1960 e hoje é umas das principais apostas da DC Comics no cinemas americanos.

A história do Lanterna Verde é um misto de ficção e mitos, assim como o Senhor dos Anéis usa esse objeto como fonte de um poder, o lanterna verde também se utiliza de um anel que plasma qualquer coisa que seu portador imaginar, tornando-se a arma mais poderosa do Universo.

A Lanterna que serve de bateria pra recarregar o anel, é similar à usada pelos homens em ferrovias para sinalizar problemas nas linhas, Hal Jordan recebe seu anel de um alienígena chamado Abin Sur e à partir disso se torna protetor da Terra.

Minha única dúvida é sobre o protagonista, Ryan Reynolds é um ator mediano, mais bem apessoado do que talentoso e que ao meu modo de ver é uma escolha corajosa do estúdio.

Ele trabalhou como DeadPool no filme dos X-Men, Blade e seu único filme sério (minha opinião) foi Enterrado Vivo, que eu fiz uma resenha aqui


O elenco conta com Ryan Reynolds, Blake Lively, Peter Sarsgaard.

É torcer pra não virar um pastelão repleto de efeitos especiais.

Estréia em 17 de Junho.





O quarto filme na minha aposta é Conan, o guerreiro cimério que tem pouca paciência para lamentações e um estopim muito curto pra provocações.

A Ciméria era um reino fictício do norte, considerado místico e bárbaro pelos mais civilizados reinos do Sul e que, geograficamente, corresponderia aproximadamente às Ilhas Britânicas. Os cimérios eram, supostamente, descendentes decaídos dos antigos atlantes e eram conhecidos por sua belicosidade, habilidade em escalar obstáculos e ódio aos atarracados pictos e aos ruivos vanires, dois outros povos com os quais disputavam fronteiras.

O filme vai contar sobre Conan vagando e se aventurando através do continente de Hibórea em busca de vingança pelo assassinato de seu pai e a destruição de sua vila.

No elenco estão Jason Momoa (Conan), Rachel Nichols (Tamara), Stephen Lang (Khalar Singh), Rose McGowan (Marique), Bob Sapp (Ukafa), Ron Perlman (Corin) e Leo Howard (Conan jovem).




Ainda estão sendo produzidos Besouro Verde, que eu nem vou perder meu tempo apostando nada, provavelmente será tão ruim quanto Tekken, Street Fighters ou algo do gênero.

Homem-Aranha, Homem de Ferro e X-Men: First Class também estão sendo gravados e a cada momento surgem novas imagens e centenas de spoilers, por isso fiquem ligados por que 2011 será o ano dos Heróis no Cinema.

Texto: Marcello Lopes
Fotos: Google
Pesquisa: Marvel Comics e Dc Comics
Trailer: Youtube