terça-feira, 10 de março de 2015

André Gide


André Gide pertencia a uma família modesta e protestante, por parte de pai, e a uma família da alta burguesia, por parte de mãe. Gide teve uma infância difícil, alternando períodos de estudo com temporadas no sul da França, para tratamento de saúde.

Suas obras são inseparáveis de sua biografia, viajou muito imbuindo seus textos de experiências. Escreveu ficção e autobiografia. Em Paris, Gide cursou a faculdade de letras e de filosofia, formando-se em 1889.

Sua primeira obra, intitulada "Os Cadernos de André Walter", foi publicada em 1891. A juventude de Gide foi marcada por numerosos conflitos interiores.

Com a realização de uma viagem ao norte da África, durante a qual adoeceu gravemente, Gide deu vazão a seus impulsos homossexuais, como relatou depois em sua autobiografia. Conheceu nessa viagem Oscar Wilde.

Em 1895 Gide casou-se com sua prima Madeleine, realizando a seguir uma grande viagem pela Suíça, Itália e Tunísia. Dois anos depois, passou a colaborar com o periódico "L'Ermitage", para o qual escreveu diversos artigos.

Junto com ouros intelectuais, André Gide fundou, em 1908, a "Nouvelle Revue Française", que se tornaria uma das revistas de maior prestígio na Europa. Em seus artigos, defendeu o rigor formal e o classsicismo. Durante a Primeira Guerra Mundial, Gide viveu uma crise religiosa e em 1914 publicou "Os Subterrâneos do Vaticano", um romance burlesco.

Depois da guerra, Gide adquiriu grande prestígio junto ao meio intelectual. Em 1919 publicou o que muitos críticos consideram sua obra prima, "A Sinfonia Pastoral". Gide tornou-se um intelectual engajado, participando ativamente da política de seu tempo. Manifestou-se contra o colonialismo e defendeu o comunismo. Apesar desta sua posição, depois de uma viagem à União Soviética, denunciou os crimes de Stalin, no livro "Retour de l'URSS".

Escreveu ainda diversas obras, entre elas "Os Moedeiros Falsos", Os Frutos da Terra", "Saul"e "A Volta do Filho Pródigo". Em 1947 recebeu o Prêmio Nobel de Literatura, e no mesmo ano tornou-se doutor honoris causa pela Universidade de Oxford, o que lhe conferiu reconhecimento internacional.

Entre as últimas atividades de André Gide estão a elaboração do romance "Tereza", uma tradução de "Hamlet", de Shakespeare, e uma adaptação para o teatro de "O Processo", de Kafka.

André Gide morreu de problemas cardíacos.

Texto: 500 grandes escritores

Nenhum comentário: