terça-feira, 9 de agosto de 2011

Vertigem das Listas


Umberto Eco apresenta como o homem é obcecado pela idéia de catálogos, listas e inventários e como essa idéia mudou e se aperfeiçoou ao longo dos séculos através da literatura, artes visuais.

Esse livro por si só já é uma obra de arte, com listas de livros, uma extensa seleção de obras de arte ilustrando da primeira página à última.

Umberto Eco nos ensina que são divididas de duas maneiras as listas, e como elas se apresentam na literatura e em nossas vidas, as que tem fins práticos e são finitas, e as outras que querem sugerir grandezas inumeráveis e que nos fazem sentir a vertigem do infinito.

No livro, o autor demonstra que a história da literatura é repleta de listas, que vão desde a Odisséia até James Joyce enumerando os objetos de uma gaveta em Ulisses, e mesmo nas pinturas, Umberto Eco demonstra como as obras de arte podem conter elencos infinitos a serem listados mesmo quando limitada em uma moldura.

Nessa obra, o autor responde questões a exemplo de como criar uma classificação rigorosa? há apenas um critério para classificar? e, se mais de um, qual escolher?

Eco nos lembra, ainda, que o sonho de toda ciência e toda a filosofia, desde as origens gregas, foi conhecer e definir a essência das coisas. Listá-las.

Recomendo !!!!

Marcello Lopes

2 comentários:

Letícia disse...

É a mais pura verdade!
Em uma das disciplinas do meu curso de Biblioteconomia, a professora nos passou um texto de Aristóteles antes de iniciarmos a disciplina de Tratamento da Informação - Classificação.
Gosto muito do Eco também, já tinha ouvido falar desse livro, bem interessante!

Bípede Falante disse...

Tenho essa vertigem sobre a mesa junto com o falatório sobre a beleza e sobre a feiura, perto do Nome da Rosa, a quem li feito uma louca :)