sexta-feira, 8 de abril de 2011

Píndaro


Poucos nomes da poesia lírica foram capazes de rivaliza com Píndaro em nobreza de expressão, inventividade de linguagem e domínio de forma.

Como acontece com muitos autores da Antiguidade, os detalhes da vida de Píndaro são obscuros.Nasceu na cidade de Cinoscéfalas no fim do período arcaico e manteve-se ativo como poeta durante o início do período clássico.

Descendente dos átridas, chegou aos dez anos em Atenas, onde aprendeu música com os mestres Agatidese Apolodoro. Estudou em Delfos e Egina, colhendo as tradições que o fizerem brilhar na vida artística.

De origens aristocráticas, Píndaro manteve implacavelmente o ponto de vista dessa classe social por toda a carreira, escrevendo sob o patrocínio de algumas das principais famílias da Grécia.

Na "Décima Pítica", seu primeiro poema, parece alertar os homens sobre o perigo da guerra e convencê-los à paz. Em 447 A.C., o rei Hierão de Siracusa, chamou-o, livrando-o de inúmeras dificuldades. Isto é relatado na "Quarta Pítica".

Não alcançou sucesso na atividade pacificadora, sendo preso na batalha de Patea. Depois seus cantos alcançaram grande fama em toda Grecia cultivando todas as formas líricas conhecidas (hinos, odes, cantos, ditirambos e epinícios).

Mais tarde, editores organizaram suas poesias em 17 livros, dos quais apenas 4 sobreviveram. 

Esses contém as odes de vitória de Píndaro, poemas corais líricos escritos para celebrar os êxitos dos atletas em competições olímpicas, píticas, nemeias, e ístmicas.

Conservam-se, a parte de outros fragmentos, quatro livros de "Epinícios" ou "Cantos Triunfais", que se referem às diferentes festas "pan-helênicas". As odes epinicianas louvavam os jogos olímpicos, embora Píndaro não tenha conseguido clareza na descrição. 

A maioria dos poemas é dividida em estrofes, mas a estrutura é principalmente triádica. O dialeto usado nas odes visava a fazê-las compreensíveis da Ásia Menor à Sicília, embora não fosse fácil seguir o seu pensamento muito fragmentado. Só há clareza na sua obra quanto a sua pessoal devoção religiosa.

As odes fornecem pouco material para a descrição dos jogos em si. Em vez disso, concentram-se em louvações aos atletas, a suas famílias e cidades.

Píndaro chama a atenção para o mérito nos feitos ao acompanhar cada um deles com episódios cuidadosamente selecionados da mitologia, em geral protagonizados por um herói da cidade do atleta.

Muitas odes, porém, também soam como um alerta, e o vitorioso é aconselhado a evitar atrair a inveja dos deuses. A poesia de Píndaro revela um alto nível de consciência do seu papel. Constantemente se compara com os atletas que celebra e lembra a eles da reciprocidade de seu relacionamento: a vitória atlética fornece uma oportunidade ao poeta.A poesia,por sua vez, imortaliza o atleta.

Principais Obras : 


  • Odes píticas 
  • Odes olímpicas
  • Odes nemeias
  • Odes ístmicas
Texto: 501 Escritores

Nenhum comentário: