terça-feira, 5 de abril de 2011

Homero


Os antigos gregos o chamavam de O Poeta, assim como Shakespeare, Homero faz parte de uma elite da literatura ocidental e sua poesia revela uma compreensão da natureza humana raramente igualada e jamais superada.


Os antigos gregos não tinham muitas informações sobre quem era Homero, os detalhes de sua vida foram recolhidos de trechos autobiográficos de alguns de seus poemas, muitos estudiosos de todas as épocas evitam falar em um autor individual chamado Homero, preferem encarar a poesia homérica como produto de uma longa tradição de poesia oral. A evidência lingüística aponta uma origem jônica para a poesia homérica, datada do fim do século VIII a.C ou início do século VII a.C.

Vivendo provavelmente no século VIII a.C., ele costumava peregrinar pelas cortes e pelas ágoras, os mercados públicos das polis daquela época, a repetir em estrofes candentes, entusiastas, cosendo os cantos uns nos outros, os memoráveis feitos dos aqueus (também designados como argivos e danaos), antepassados dos gregos.


Segundo o costume, apresentava-se em pé, apoiado num bastão, narrando de memória em voz alta para que todos ouvissem, preservando assim a memória dos combates dos másculos heróis do passado.

Os gregos mais tarde atribuíram à Homero vários poemas antigos, mas apenas dois - Ilíada e Odisséia - podem ser verdadeiramente descritos como homéricos. Eles pertencem à mesma tradição de poesia oral e se destacam de outros exemplos da primitiva poesia épica grega em termos de qualidade e tamanho.

A Ilíada é ambientada durante o décimo e último ano da Guerra de Tróia, e traça as consequências complicadas de um desentendimento entre Aquiles e Agamenon, dois dos comandantes gregos no cerco de Tróia.


A Odisséia, narra a árdua viagem de volta para casa de outro herói grego, Odisseu ou Ulisses na versão latina, e sua luta para se restabelecer como rei de Ítaca. Esta história se passa após a queda de Tróia.

Na antiguidade, nunca houve dúvida de que Homero fosse homem, e, durante a maior parte do período moderno, essa conclusão não foi questionada.


Texto: Marcello Lopes/501 Escritores/Google
Fotos: Google

Nenhum comentário: