segunda-feira, 11 de abril de 2011

Eurípides


Fascinado por monstros e deuses, Eurípides poderia ser chamado de "o primeiro dramaturgo moderno". Embora evitasse a política, ao contrário dos seus contemporâneos mais velhos e de Sófocles, seu rival, Eurípedes deixava clara sua desilusão pela cultura ateniense, vestindo seus heróis com farrapos.

Em As Troianas, chegou a criticar abertamente a política de relações exteriores da cidade-estado ao comparar o massacre de Melos com a destruição de Troia, vista de forma incomum, pelo ponto de vista dos troianos.

Para protestar contra a guerra do Vietnã em 1971, Michael Cacoyannis filmou As Troianas valendo-se de uma tradução feita por Edith Hamilton em 1937, que via Eurípides como um pacifista vivendo em uma era beligerante. Certamente, suas outras peças sobre os mitos fundadores da Grécia - Helena, Ifigênia em Áulis e Hécuba - perguntam "Guerra? Para que serve?".

Peças como As bacantes, que satirizam os fundadores da Grécia, revelam o autor como um iconoclasta.Seus deuses, como Baco selvagem e carismático, são monstros.Mais do que isso, são políticos.

Enquanto as peças de Ésquilo sugerem um temor ritual pela incompreensão das ações dos deuses, e os dramas de Sófocles exploram sua lógica a longo prazo, Eurípides vê os deuses e os seres humanos envolvidos em uma dança do poder volúvel, egoísta, profunda e dolorosamente constrangedora. Embora considerado um poeta menor em comparação aos predecessores, Eurípides demonstra uma sagacidade selvagem ao olhar o lado oculto das palavras e dos personagens.

Em Medeia, várias vezes atribui-se à heroína a qualidade de sophronsyne, o mais alto nível de sabedoria masculina para os gregos. Eurípides quer demonstrar, em parte, que sophronsyne é diferente para as mulheres e também que o pensamento, como todos os dons dos deuses, é uma faca de dois gumes.

Principais Obras:


  • Medeia
  • Hipólito
  • Hécuba
  • Electra
  • As troianas
  • Helena
  • Ifigênia em Áulis
  • As bacantes
Texto: 501 Escritores

Nenhum comentário: