quinta-feira, 7 de abril de 2011

Ésquilo


O epitáfio de Ésquilo dizia simplesmente que ele havia lutado contra os persas em Maratona, em defesa da sua Atenas natal.Omitia, porém, o vigor de seus feitos literários: suas inovações formais tiveram papel decisivo nos primórdios da tragédia grega, e sua poesia é notável pela força contínua e pela beleza das imagens.

Nascido quando Atenas ainda era governada por um tirano, Ésquilo testemunhou a fundação da democracia ateniense e a aurora da era clássica. Durante uma carreira que durou quase meio século, ele produziu cerca de 80 peças, das quais apenas 7 sobreviveram.Cada uma dessas 7 peças demonstra a influência da era da transição em que foram escritas, caracterizadas por preocupações políticas com a democracia que ainda dava seus primeiros passos.

Acompanhando essa consciência política está uma arraigada sensibilidade religiosa que, ao reconhecer a responsabilidade individual, considera que as ações humanas estão vinculadas à vontade divina. O progresso humano é possível, mas apenas por meio do sofrimento imposto pelos deuses.

A seriedade dos temas enfrentados pelo autor combina com a majestade de seu estilo. Delicia-se em enfileirar uma sequência de adjetivos compostos e misturar imagens, e valoriza mais a grandeza misteriosa de que a clareza.Além de ser um poeta de primeira linha, Ésquilo foi o mais inovador dos antigos autores de tragédias e responsável pela introdução do segundo ator ( a tragédia antes envolvia apenas um ator e o coro).

Com essa combinação de estilo refinado e inovação ousada, Ésquilo abriu caminho para a era de ouro do teatro clássico e preparou o palco para a entrada de seus sucessores, Sófocles e Eurípedes.

Principais obras 

  • Os persas
  • Os sete contra Tebas
  • As suplicantes
  • Prometeu acorrentado
  • Oréstia (Agamenon, Coéforas, Eumênides)
Texto: 501 Escritores

Nenhum comentário: