quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

O Último Reino


A Crônica Anglo-Saxônica registra a incursão de 793 contra o mosteiro de Lindisfarne como ponto de partida na longa história de ataques vikings contra a Grã-Bretanha.

Após um período de saques e incursões, os vikings começaram a colonizar a Inglaterra e ali comerciar. Chegaram em barcos com bons exércitos, em sua maioria dinamarqueses, e tomaram para si praticamente todos os reinos ingleses, que eram independentes. A partir do fim do século IX, governavam parte considerável do território inglês, no que era conhecido como o Danelaw. 


Alfredo, o Grande impediu a invasão dos vikings em seu reino, Wessex, por meio da construção de diversas fortalezas. Seu sucesso contra as incursões vikings e a reorganização do reino por ele empreendida fizeram com que a história lhe outorgasse o epíteto "o Grande".

De acordo com as Crônicas Anglo-Saxãs, o primeiro ataque viking na Grã-Bretanha ocorreu em 793 no monastério de Lindisfarne. Entretanto, nesta época, os vikings já se encontravam, quase com certeza, bem estabelecidos em Orkney e Shetland, desta forma, é provável que muitos outros ataques não-registrados tenham ocorrido antes.

Registros mostram que o primeiro ataque viking em Iona ocorreu em 794. A chegada dos vikings, em especial do grande exército dinamarquês, desorganizou a geografia política e social da Grã-Bretanha e da Irlanda.

A vitória deAlfred, o Grande em Edington em 878 estancou o ataque dinamarquês, entretanto, naquela altura Nortúmbria tinha se transformado em Bernicia e um reino viking, Mércia tinha sido dividida ao meio e Ânglia Oriental tinha deixado de existir como uma organização política anglo-saxônica.

Os vikings tiveram efeitos semelhantes sobre os vários reinos escoceses, pictos e, em menor grau, galeses. Certamente, no norte da Grã-Bretanha os vikings foram uma das razões por trás da formação do Reino de Alba, que finalmente evoluiu para a Escócia.


É nesse turbilhão de lutas, invasões e conquistas que Bernard Cornwell narra a história de Uhtred, um garoto saxão que é levado à sua primeira batalha contra os dinamarqueses e vê seu pai ser morto pelo chefe dos vikings Ragnar, impulsionado por uma coragem inconsequente o garoto ataca o dinamarquês mas é facilmente despojado de sua espada e é adotado pelo chefe guerreiro que fica admirado com sua valentia.

Os anos se passam e Uhtred cresce entre os dinamarqueses, dividindo com eles a religião pagã, seus mitos e histórias, e aprendendo com Ragnar seus costumes e códigos de honra.

É nesse caldeirão que o jovem vivencia a primeira batalha contra seus conterrâneos, a descoberta do sexo, é na parede de escudos que ele tem suas maiores lições.

Cornwell adicionou alguns personagens fictícios à história da Inglaterra e com um talento sem igual nos conduz ás batalhas e reuniões que decidiam a vida de milhares com Reis e Bispos que nessa época eram as figuras máximas de autoridade, vemos também uma batalha entre a Igreja contra os pagãos que destruiam seus monastérios, estupravam suas freiras e matavam sem piedade todos os clérigos que encontravam.



Resenha : Marcello Lopes
Informações históricas e Fotos: Google

2 comentários:

Lu disse...

ei Marcello, estou com muita vontade de ler esse livro, amo livros assim.
ainda comprarei meu box da série. ^^
beijos.

Hérida Ruyz disse...

Adoro Cornwell!
Ótima resenha.
BJs