segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Cidade de Ladrões


David Benioff é escritor e roteirista, seu livro mais famoso é o The 25th Hour que foi adaptado para o cinema por Spike Lee, com Edward Norton no papel principal.

David recebeu um convite para escrever um ensaio autobiográfico para uma revista de cinema mas começou a escrever sobre Leningrado, a cidade de seus avós. Para isso viaja até a Flórida para encontrá-los e pede ao avô que conte sua experiência na cidade sitiada pelos nazistas.

A história conta sobre a guerra a partir dos olhos de Lev, um garoto russo-judeu de 16 anos que se recusa a sair da cidade com sua mãe e irmã para se refugiar de Vyazma. Ele quer ficar para defender a cidade dos facistas.

Em uma noite escura após sua família ter fugido do cerco, um paraquedista alemão cai próximo ao posto de vigilância, o que leva Lev e seus amigos à correrem até o corpo e saqueá-lo, enquanto retiram os pertences do soldado morto uma patrulha chega e só consegue prender Lev por pilhagem e por violar o toque de recolher, cuja pena é a execução sumária.

Levado à uma prisão, o garoto divide a cela com Kolya, um soldado acusado de deserção e que insiste em ensiná-lo sobre literatura. Os dois são levados à presença de um coronel da polícia secreta russa (NKVD) que faz uma proposta para salvá-los da execução, eles precisam encontrar 1 dúzia de ovos para que sua esposa faça um bolo para o casamento da filha.

À partir daí os dois saem em busca desse tesouro raro em uma cidade sitiada, onde a situação é tão desesperadora que homens, mulheres e crianças perseguiram e sacrificaram todos os animais da cidade: cavalos, cachorros, gatos e ratos para se alimentarem, e quando os animais sumiram, a população encontrou outras formas de se alimentar mesmo que precariamente com azeite de castor, glicerina, vaselina e as loções capilares, tudo virou alimento, sendo preparados como sopa com cola de carpinteiro, obtida raspando-se os móveis depois de desmanchá-los, ou raspando-se as paredes, depois de arrancados os papéis que as cobriam.


Juntos enfrentam perigos e desafios em uma cidade à beira da extinção, já que o plano de Hitler não era somente invadir a cidade, mas apagá-la do mapa, durante a narrativa é possível perceber a densidade da situação pelos olhos de um garoto que encontra pessoas mortas pela rua, enfrentam a fome comendo pão feito de celulose, lutando contra canibais e homens desesperados por um prato de comida.

À medida que vão se aproximando dos limites da cidade, a amizade entre os dois cresce a cada obstáculo superado, até que encontram um casarão atrás das linhas inimigas habitado por algumas garotas que foram escravizadas por uma guarnição alemã, nesse momento Lev descobre o terror e o ínicio de uma paixão que mudará sua vida.


O livro é muito bem escrito, a narrativa é ágil, os personagens são realistas e o pano de fundo é uma das histórias mais tristes da 2° Guerra Mundial, o cerco de Leningrado.

Por 900 dias, os alemães bombardearam prédios, monumentos e fábricas impedindo os habitantes de saírem dos limites da cidade, mesmo assim as fábricas de munição e de construção de veículos funcionavam 24hs por dia, sendo construídos por mulheres e jovens adolescentes já que os homens estavam na frente de batalha.

O resultado desse cerco foi a morte de mais de 1.5 milhão de pessoas devido à falta de comida, bombas, frio. Do lado alemão morreram 1 milhão de soldados, vítimas do frio russo e das guerrilhas soviéticas.


Texto: Marcello Lopes
Fotos: Google

Um comentário:

Débora Lauton disse...

Caramba... eu semprei olhei esse livro e nunca dei muita atenção... tanto que nunca li nem a contra capa...
Juro que achava que fosse um livro infanto-juvenil (sabe Deus por que pensei isso)...
Agora eu preciso ler... vou colocar na minha listinha de compras...
Sua resenha ficou ótima...

beijos,
Dé...