terça-feira, 14 de setembro de 2010

Lançamento



“Como é belo um livro, que foi pensado para ser tomado nas mãos, até na cama, até num barco, até onde não existam tomadas elétricas, até onde e quando qualquer bateria se descarregou.

Suporta marcadores e cantos dobrados, e pode ser derrubado no chão ou abandonado sobre peito ou joelhos quando caímos no sono”.

Essa declaração de amor é a síntese de A memória vegetal (Record, 272 pp., R$ 39,90 - Trad. Joana Angélica D’Ávila), de Umberto Eco.
 
Com sutileza, humor e habilidade, Eco reúne reflexões sobre o antigo e fascinante mundo dos livros, a bibliofilia, a memória e a alegria da leitura e desmistifica a noção de que é preciso muito dinheiro para ser um colecionador.

Lista, ainda, os inimigos dos livros: brocas, cupins e a ignorância do homem e afirma que leitores digitais são apenas uma evolução.
 
Da memória orgânica, registrada e organizada pelo nosso cérebro, até o aparecimento da escrita, ele acompanha as mudanças na apreensão, e compreensão, do conhecimento. Os livros são os nossos anciãos, nossa memória vegetal. 

A memória histórica escondida entre parágrafos é a nossa própria memória, nossa capacidade de refletir. Um seguro de vida, uma pequena antecipação da imortalidade. Diante do livro, procuramos, mais que decifrar, interpretar. É através da memória vegetal do livro que podemos recordar não apenas nossas brincadeiras de infância, mas também as de Proust.
 
Paixões, desejos, sofrimento, alegria, tudo pode nascer da leitura e a leitura se torna um diálogo com alguém que não está diante de nós.

Um diálogo que a qualquer momento evoca lembranças e conhecimento, emoções e experiências, de outra forma perdidos.  

3 comentários:

Era Eclipse (André Siqueira) disse...

Muito legal o seu blog e já estou te seguindo.

Quando tiver um tempo, venha conhecer um pouco do meu trabalho!

Confira duas entrevistas:
Jardim de Escuridão - Livro de Bianca Carvalho

Paramita - CD de Luiz Vicunha

BLOG // MYSPACE // TWITTER // ORKUT

Luka disse...

Marcello,
Nossa fazia outra idéia desse livro.
Adorei !

Bjs
Luka.

Bruna Longobucco disse...

Ei Marcello! Vc anda sumido! Como vão as coisas? Fazia um tempinho que eu não passava por aqui... É sempre bom estar no "Tudo que Leio". Super beijo!!!