quinta-feira, 22 de julho de 2010

Literatura Italiana



Hoje falo sobre um dos meus escritores preferidos, Ítalo Calvino, ensaísta, jornalista, editor e professor que nasceu em Cuba mas foi morar na Itália ainda criança, é em minha opinião um dos mais fascinantes autores que eu conheço.

Criado em San Remo, na Itália, em 1941, matricula-se na Faculdade de Agronomia de Turim, abandona os estudos ao engajar-se na Resistência Italiana contra o exército nazista. Ao final da guerra, Calvino vai morar em Turim, onde se doutora em letras com uma tese sobre Joseph Conrad.

Sua obra é na verdade um documento completo da evolução da literatura italiana, na maioria da sua obra o autor escreve em forma de fábulas, contestadora, inquieta e acima de tudo límpida e precisa.


Autor de livros como Visconde partido ao meio, O Barão nas árvores, O cavaleiro inexistente, uma trilogia marcada pela fábula carregada de intenções educativas onde Calvino analisa os temas de sua época.

Visconde Partido ao Meio é um dos livros mais importantes de sua carreira, onde Calvino escreve uma espécie de árvore genealógica do homem contemporâneo, alienado, dividido, incompleto.

O Visconde na verdade é Medardo di Terralba, o visconde que, na defesa da cristandade contra os turcos, leva um tiro de canhão no peito, mas sobrevive, ficando partido ao meio.

Calvino me parece que brinca de Médico e o Monstro fazendo o visconde ter a sua metade direita atormentada pela maldade, e a esquerda, pela bondade.

Nos anos 60, Calvino morando na França escreve o livro As Cosmicômicas (1965) utilizando a ficção científica para construir narrativas surpreendentes.

Na década de 70, escreveu O Castelo de Destinos Cruzados, As Cidades Invisíveis e Se um Viajante numa noite de inverno este romance construído na década de 80 junto com Palomar em 1983.

Após o início da década de 80, Calvino organiza seus ensaios e aulas em livros que formarão sua carreira de crítico literário, posso citar sem dúvida nenhuma seus livros mais conhecidos nessa área Seis Propostas para o próximo Milênio de 1988, e Por Que Ler os Clássicos.

Calvino morreu em 1985.

Obras:

• A trilha dos ninhos de aranha (Il sentiero dei nidi di ragno) 


O Barão nas Árvores (Il barone rampante)


• Os Amores Difíceis (Gli amori difficili) 


• O Caminho de San Giovanni


• O Castelo dos Destinos Cruzados


• O Cavaleiro Inexistente


• As Cidades Invisíveis


• As Cosmicômicas


• O Dia de um Escrutinador


• Fábulas Italianas


• Um General na Biblioteca


• Marcovaldo ou As Estações na Cidade


• Os Nossos Antepassados


• Palomar


• Perde Quem Fica Zangado Primeiro


• Porque Ler os Clássicos


• Seis Propostas para o Próximo Milênio - Lições Americanas


• Se um Viajante Numa Noite de Inverno


• Sob o Sol-jaguar


• O Visconde Partido ao Meio


• A Trilha dos Ninhos de Aranha - Il sentinero dei nidi di ragno
 
Marcello Lopes
Fotos: Google

Um comentário:

Beli disse...

confesso que não conheço muito da literatura italiana, somente alguns historiadores que adoro...
Esse autor tem títulos bastante interessantes...
gostei!!!!