domingo, 11 de julho de 2010

Hercule Florence



Hercule Florence viveu grande parte de sua vida no Brasil, foi pintor, cientista, inventor, educador, químico, político e naturalista, um verdadeiro homem da Renascença.

Mas pouco se sabe de sua vida antes de chegar em terras brasilianas em 1824, como tripulante de um navio francês.

Filho de médico militar e uma nobre francesa, desde cedo demonstrou interesse por desenho, ciências e pelas famosas expedições de viajantes europeus ao Novo Mundo.

Não há certeza de que tenha aprendido a desenhar de forma autodidata. No Rio de Janeiro emprega-se na loja de modas do francês senhor Dillon e depois na livraria do senhor Plancher. Como resultado de resposta a um anúncio, em setembro de 1825 parte com a Expedição Langsdorff (1821-1829) - viagem científica idealizada pelo cônsul russo Barão Langsdorff (1773 - 1852) - na condição de segundo desenhista.


O grupo vai para Santos de navio e segue para a Amazônia pelo interior do país. De 1826 a 1829 percorre os atuais Estados de São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Amazonas e Pará.

Florence realiza uma série de desenhos e aquarelas, nos quais retrata a fauna, a flora, a paisagem e a população dos locais visitados, que, com os trabalhos do artista alemão Rugendas (1802 - 1858) e do desenhista francês Adrien Taunay (1803 - 1828), constituem a única documentação visual dessa aventura que custou a sanidade do próprio cônsul.

Nos trabalhos realizados por Florence, conservados na Academia de Ciências de Moscou, revela-se seu olhar objetivo e minucioso na tarefa de representação da natureza.


A historiadora Ana Maria Beluzzo acredita que, em busca de um traçado linear homogêneo e impessoal, o artista teria utilizado a camera lucida na produção de seus desenhos. Meticuloso, o artista assinala as condições de observação de cada registro feito: data e local da coleta, dimensões do exemplar documentado, as proporções entre o tamanho do referente e da referência, se são imagens elaboradas com plantas secas ou animais empalhados etc. Sua visão analítica apreende o objeto em seu todo e nos detalhes. As plantas e animais são mostrados de diversos pontos de vista, por dentro e por fora, com ênfase nas características de cada gênero.

No caso dos retratos etnográficos, apresenta as figuras de frente e perfil, esforçando-se em reproduzir suas particularidades (por exemplo, cor da pele, pinturas corporais, adereços e vestimentas). Nota-se que Hercule Florence procura individualizar as fisionomias e afirmar a diversidade étnica, sem recorrer a padronizações. Nas paisagens, além da topografia de cada região, interessa-se em registrar a luminosidade do céu e das nuvens.

De volta ao Rio de Janeiro em 1829, deixa suas anotações diárias sobre a expedição com Félix Taunay (1795 - 1881), irmão de Adrien, que morre afogado em 1828 no Rio Guaporé. O manuscrito intitulado Esboço da Viagem Feita pelo Snr. Langsdorff ao Interior do Brasil desde Setembro de 1825 até Março de 1829 é traduzido e publicado por Alfredo D´Escragnolle Taunay, com o consentimento do autor, mais de 40 anos depois, entre 1875 e 1876.


Só em 1849 Hercule Florence retoma suas anotações e começa a escrever o diário completo sobre a viagem científica. Esse diário, atualmente em posse de seus descendentes, é publicado em 1977 sob o título Viagem Fluvial do Tietê ao Amazonas pelas Províncias Brasileiras de São Paulo, Mato Grosso e Grão-Pará (1825-1829).

Com o fim de seu trabalho como segundo desenhista, o artista radica-se a partir de 1830 na Vila de São Carlos, atual Campinas, em São Paulo, onde constitui família e torna-se fazendeiro, mas sem deixar a arte e as questões científicas de lado.

Continua registrando a paisagem e as transformações pelas quais passa a região no decorrer do século XIX. Documenta o incremento da lavoura de cana-de-açúcar e café, o trabalho escravo nos engenhos, as queimadas e derrubada das matas para plantio e, em menor número, a capital paulista.

É de Florence um dos poucos desenhos do interior da antiga Igreja da Sé (s.d) de São Paulo. Por essa produção é reconhecido como um dos pioneiros da iconografia paulista.

Hercule Florence é precursor também em outro campo: o dos processos químicos de reprodução de imagens. Em busca da simplificação dos procedimentos comuns na época (restritos aos diferentes tipos de gravura como, por exemplo, a litografia e a xilogravura), inventa, em 1830, o que chama de polygraphie [poligrafia], método de impressão em cores semelhante ao atual mimeógrafo.

A partir de 1832, começa a investigar as possibilidades de fixação da imagem utilizando a câmera escura por meio de um elemento que mude de cor pela ação da luz. Com a ajuda do boticário Joaquim Correa de Mello, realiza experiências fotoquímicas que dão origem a imagens batizadas de photographie [fotografia] em 1833.

Ou seja, quase na mesma época que Joseph Nicéphore Niépce (1765 - 1833) e Louis Jacques Mandé Daguerre (1781 - 1851), na França, e William Henry Fox Talbot (1800 - 1877), na Inglaterra, e sob condições científicas muito diversas, Florence produz cópias fotográficas de desenhos em Campinas.

Entre os exemplares realizados, restam hoje as impressões fotográficas do "Diploma da Maçonaria" (ca.1833) e de rótulos de farmácia (s.d). Como reconhecimento a seu trabalho iconográfico é declarado Membro Correspondente do Instituto Histórico, Geográfico e Etnográfico do Brasil em 1877. Falece em Campinas dois anos depois.

Texto: Estado de Minas
Fotos: Google

Nenhum comentário: