segunda-feira, 31 de maio de 2010

Literatura Inglesa - IV


Uma das escritoras mais cultuadas deste século, Virginia Woolf nasceu em Londres, em 1882 e após a morte do pai em 1904 mudou-se com a irmã, a pintora Vanessa Bell para Bloomsbury, um bairro localizado no centro-oeste de Londres onde mais tarde diversos intelectuais e artistas discutiriam sobre arte, literatura e outros aspectos da vida.

Esse grupo ficou conhecido como Grupo de Bloomsbury e era formado por Vanessa Bell, Virginia, o economista John Keynes, Edward Morgan Forster e Leonard Woolf, este se transformaria no marido de Virginia e principal apoio dela em suas constantes crises de saúde.

Esse grupo tem uma influência muito grande na obra de Virginia e inspirou a escritora e o marido a abrirem uma editora, chamada de Hogarth Press que publicou trabalhos importantes de Virginia, Katherine Mansfield e T.S. Eliot.

Seu primeiro romance foi A Viagem, publicado em 1915, depois o segundo romance Noite e Dia de 1919, esses dois romances são densos mas com pitadas líricas e envolventes, um culto à seu fascínio pelos autores russos, principalmente por Dostoievski.

Seus próximos romances foram O Quarto de Jacó de 1922, Mrs.Dalloway de 1925, Passeio ao Farol de 1927, As Ondas de 1931, nesses romances já se nota a transposição de estilos, antes desses a narrativa era realista, agora as histórias seguem o que se passa na consciência das personagens.

Para essa mudança de estilo, Virginia utilizou-se de várias linhas literárias e influências que vão desde os seus próprios pensamentos e ensinamentos de Wordsworth.

Virginia escreveu o que os críticos literários chamam de obra-prima, o romance As Ondas, onde a autora omite a divisão por capítulos, usando apenas um pequeno intervalo de linha em branco para marcar a mudança de narrativa de uma das seis personagens que participam da trama contando suas experiências.

A autora inovou usando o que o psicólogo William James chamou de Fluxo da Consciência em seu estudo Princípios de Psicologia de 1890 em uma análise do funcionamento aleatório do subconsciente.

Infelizmente, a autora se suicidou em 1941, deixando uma grande quantidade de ensaios, cartas e correspondências.


A autora tem diversos títulos traduzidos em português principalmente com a editora Novo Século, e indico a coletânea Contos Completos da Ed.Cosac Naify.

Marcello Lopes

2 comentários:

Lia disse...

Oi, Marcello
Ótimo texto...de Virginia Woolf só li "Orlando" e gostaria de ler "As Ondas" e "Mrs. Dalloway". Bjs

Iris disse...

Nunca li nada da Virginia Woolf, mas morro de vontade. Em breve eu vou dar uma chance :)
:*