terça-feira, 1 de dezembro de 2009

MUCHA...

Atendendo uma cliente norueguesa na livraria conheci um artista que me chamou muito a atenção e que infelizmente não tinha nenhuma informação sobre ele até aquele momento.



É Alfons Maria Mucha ilustrador e design gráfico tcheco e um dos principais nomes do movimento Art Noveau.

Entre 1880 e 1920, ele também se utilizou da fotografia como meio de estudo para suas ilustrações e com a sensibilidade visual criou um trabalho consistente também na fotografia.



Em abril de 1913, Mucha viaja para a Rússia com a intenção de coletar material para sua pintura da proclamação do Tzar Alexander II, que faria parte de sua série de Épicos Eslavos. Mucha se impressionou com o que chamou de Relíquia de Sociedade Medieval co-existindo em "pleno" século XX !



Mucha em seu escritório

Grande parte das fotografias perderam-se, restando muito pouco, mas nem por isso, menos consistente, esta notável reportagem social.

Mucha sempre foi um patriota de seu país natal a República Tcheca e considerou o seu sucesso um triunfo para o povo tcheco, tanto quanto para si mesmo.

Em 1909 ele foi contratado para pintar uma série de murais para o prefeito de Praga. Ele também começou a planejar o "The Slav Epic" - uma série de grandes pinturas narrando acontecimentos importantes do país eslavo.



Um financiamento foi fornecido por Charles Crane, um milionário de Chicago. Mucha esperava para concluir a tarefa em cinco ou seis anos, mas em vez disso, gastou 18 anos de sua vida.

Vinte maciças telas foram criadas e apresentadas na cidade de Praga, em 1928.

Cobrindo a história dos povos eslavos da pré-história ao século XIX, representavam para Mucha as esperanças e sonhos da sua terra natal. Em 1919 os primeiras onze telas foram concluídas e expostas em Praga, e nos EUA onde receberam críticas favoráveis.

Na Feira Mundial de Paris em 1900 Mucha desenhou na Bósnia-Herzegovina Pavilion. Ele fez uma parceria com o ourives Georges Fouquet na criação de jóias com base em seus projetos. O bronze Natureza é a partir deste período de tempo.

Ele também publicou Documentos Decoratifs que foi a sua tentativa de passar suas teorias artísticas para a próxima geração. O resto da vida Mucha foi gasto quase como um anacronismo. Seu trabalho ainda estava bonito e popular, ele só não era mais "novo" - um crime hediondo, aos olhos dos críticos. Quando os alemães invadiram a Tchecoslováquia, ele ainda era influente o suficiente para ser uma das primeiras pessoas que prenderam. Ele voltou para casa depois de uma sessão de interrogatório da Gestapo e morreu pouco depois, em 14 de julho de 1939.

Traduzido do Inglês por Marcello Lopes

Um comentário:

Paula disse...

Aff!! Não viu que fiquei com o desenho do Mucha "anos" no fundo do meu Quintal??? Falei dele lá também, que coisa...Tst...tst...
Beijos e irish songs are waiting for you...