quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Insegurança


Mudar de vida, jogar tudo (tudo?) pro alto e ir na direção oposta daquela que as pessoas imaginam.

Essa é a sensação que eu tenho dos dias que estou vivendo, mudança de casa, de cidade, a perda da zona de conforto, a falta de uma referência me faz me sentir totalmente inseguro. Mas sei que essa insegurança é disparada por vários fatores, mas o maior deles é o apego.

O apego é o causador de sensações totalmente díspares dentro de mim, uma parte diz que eu devo enfrentar o desafio de uma cidade estranha, porque pode ser uma experiência enriquecedora, mas a outra parte, me diz em letras garrafais que eu devo ficar, que eu não devo me expor aos conflitos e nem muito menos á dor.

A insegurança transforma o indivíduo em uma pessoa que não produz nada, que espera que os outros façam as coisas por ele, pois não tem capacidade de fazê-las, a insegurança reduz a pessoa no decorrer da vida em um dependente e como os viciados, ele faz com que o indivíduo não se sinta, não se permita conhecer e saber suas habilidades e seus limites, abandonando-se totalmente.

Esse sentimento me faz perder uma oportunidade de vivenciar o momento presente, de crescer e de me sentir capacitado e acima de tudo isso, me cega para o meu próprio potencial que possa existir. Por isso tomei uma decisão absurdamente assustadora, vou continuar os meus planos, vou continuar a jornada que planejei por alguns dias, dei o primeiro passo ( ele é sempre o mais difícil, não é ?) e entendi que a insegurança que eu sinto ao pensar na mudança não é inteligente e nem mesmo saudável.

Resovi que eu quero me libertar desse sentimento colocando-me a disposição de mim mesmo, colocando as coisas em prioridades, pensando em minha existência física, doutrinando meus pensamentos e apaziguando minhas emoções. Tarefa nada fácil a que me proponho porque existem fatores familiares que me obrigam a investir em acreditar em meu potencial, preciso criar situações que eu possa aprender com elas e assim crescer substancialmente.

Dizem que eu estou arriscando tudo que eu tenho. Mas eu penso nisso e nada, absolutamente nada vêm em minha cabeça que possa traduzir esse "tudo". Durante anos eu fui submisso ao medo, á insegurança, essa mesma que tolhe a coragem e me cega de pavor. Acredito que muitos dos que lerem isso se sentiram reconhecidos, por que de uma maneira ou de outra, sempre somos derrotados por nós mesmos.

E além de travar uma batalha contra a insegurança, devo lutar contra a ansiedade. Dizem que a insegurança e a ansiedade só aparecem quando há uma grande dose de medo ou de culpa. Bom, eu tenho medo de uma série de coisas, físicas ou não, e sim existe a insegurança devido á educação familiar que tive, de que eu tenho que fazer tudo da maneira correta, mas qual é a MINHA maneira correta ???

Sem querer encher o saco com esse papo pseudo-psicológico, mas o fato é que eu não posso mais olhar pra trás e me amendrontar, já passei por situações bem mais assustadoras que essa, assistir alguém morrer de verdade em sua frente é uma dessas situações à que me refiro, ser traído por quem eu mais confiava é outra, enfim. . .

Sair dessa é só questão de querer, é uma escolha minha, treinando aos poucos a minha fé e a perseverança de que tudo tem um porquê. Randy Pausch é aquele professor universitário que ao saber que morreria de câncer, resolveu ministrar inúmeras palestras, e a última dessas palestras é líder de audiência no Youtube, eu assisti algumas palestras dele, via http://www.youtube.com/watch?v=ji5_MqicxSo  e ele tem duas frases que viraram mantras para mim :

  • Os muros estão ali por uma razão, eles não estão lá para nos impedir de conseguir aquilo que queremos, estão ali para nos dar uma chance de nos mostrar o quanto queremos algo.
  • Experiência é o que você aprende enquanto busca atingir uma meta.
Dito isso, é só esperar sexta-feira para começarmos uma nova jornada.

Abraços.

Marcello Lopes

3 comentários:

Paula disse...

Eu acredito em você, sempre, sempre!! Siga seu coração, sem medo, sem insegurança, sem nada, como a folha ao vento, ao sabor da vida, e tenha certeza (absoluta) que nossos amigos do além estarão ao teu lado, sempre! E eu daqui, vou vibrando por você, a cada passo teu, comemorando dia a dia a grande vitória que é viver feliz do jeito que SE É, HOJE, sem amarras no passado, sem arrependimentos pelo que não foi feito (não importa mais!), e agradecidos pela grande oportunidade que é estar a caminho.
Teu caminho é iluminado, nunca duvides!
Aqui ou lá, o amor sempre será o mesmo!!
Que os anjos te levem em suas asas, que você cresça, desperte e desabroche, que você assuma o leme da sua embarcação, e chegue ao Paraíso...

Marcus Alencar disse...

Mudar é sempre preciso e quando isso acontece um novo dia se abre diante da gente entrando pela janela do nosso quarto. A vida é assim mesmo, feita de experiências que nos propomos a fazer e que nos acrescentam com o intuito de moldar a nossa fibra tornando-a mais forte.

Assim como você disse, eu me identifico com suas palavras e com algumas das situações descritas no texto, afinal de contas não há um suporte para o novo, não temos referências dele e por isso, e outras coisas, acaba sendo assustador. Mas a gente só descobre tentando, errando e aprendendo, sabe, quantas vezes é preciso errar para saber a coisa certa a ser feita, não é mesmo?
abraços

Viviane Righi disse...

Cunhado,

Se você já refletiu bastante sobre a sua vida e seus objetivos antes de tomar essa decisão, então resta a você "sacudir a poeira" e seguir em frente. Dificuldades certamente virão, mas quem nessa vida não as tem?

É preciso ter coragem, força e principalmente fé...

Lembre-se também que você nunca estará sozinho. No que depender de mim, saiba que estarei sempre por aqui!

Bjos e até breve!!!

Vivi