quinta-feira, 10 de setembro de 2009



Cornwell é um dos meus autores preferidos, e amanhã, às 19h30 ele participa do lançamento do seu novo livro Azincourt , romance que traz uma nova visão sobre a batalha lembrada por William Shakespeare em "Henrique 5°", e que saiu recentemente no Brasil pela editora Record (R$ 49,90, 448 págs.) e já está nas listas de mais vendidos.

Na versão de Cornwell, o monarca que combateu junto aos soldados na histórica campanha de invasão à França, e que protagonizou a peça de Shakespeare, fica em segundo plano, o autor escreveu seu livro do ponto de vista dos arqueiros, peça fundamental na vitória inglesa sobre os franceses.

A história da batalha foi relatada por homens que estiveram lá, dois do lado inglês e três do lado francês. Eles deram seus depoimentos logo depois do combate, eram testemunhas".

Esses relatos dão conta de que os ingleses lançaram milhares e milhares de flechas na tentativa de conter os franceses, e que essa manobra foi fundamental. Mas acabaram numa briga de mão, com machados e martelos, em meio a lama e chuva, porque as flechas não estavam matando gente o suficiente.

Cornwell, que hoje vive nos EUA, diz que foi preciso "tentar esquecer Shakespeare" para escrever sua versão. "Essa é talvez a batalha mais famosa de todas as que envolvem a Inglaterra, ela já era famosa mesmo antes da peça.

Você lê tudo sobre a guerra, tudo, e então tem de usar a imaginação para tentar experimentar como deve ter sido estar lá. Mas nunca ninguém tinha escrito um romance sobre ela. O que há são relatos históricos. É uma batalha que muita gente conhece, mas poucos sabem o que de fato aconteceu", diz.
Além de ter entrado na concorrida lista de mais vendidos do "New York Times", o livro foi elogiado por jornais como o inglês "Telegraph". "Se Bernard Cornwell nasceu para escrever um livro, foi este", escreveu um crítico do jornal. "Ninguém mais poderia pegar 'Henrique 5°' de Shakespeare, despi-lo de sua retórica e dizer a verdade nua e cria sobre a batalha de Agincourt, que viu um massacre numa escala de chocar a cristandade."

Cornwell ficou famoso por séries best-seller como "As Crônicas de Artur" e "A Busca do Graal", nas quais alia aprofundada pesquisa histórica e ficção. "Azincourt" segue a mesma fórmula.

Inclui, por exemplo, nomes reais de arqueiros, como o do protagonista Nicholas Hook. "Há uma lista com o nome dos homens que estavam na batalha. Escolhi aqueles de que gostei e criei a partir disso. Hook existiu, com esse nome, mas é essa, especificamente, a única informação histórica sobre ele."

Nenhum comentário: