sábado, 20 de junho de 2009

Minha leitura



Em seu leito de morte, o grande crítico gastronômico Pierre Arthens é tomado pela última obsessão: lembrar-se do sabor que mais o enfeitiçara.


A viagem aos meandros do paladar começa na infância do protagonista, quando as artes culinárias da avó desabrocharam seu talento, e termina na consagração do profissional que celebrava deliciando uma simples sardinha frita ou um inesquecível sorbet de laranja.


No caminho, ele descreve a descoberta dos sashimis; a sensualidade dos tomates amorosamente colhidos na horta da casa de sua tia; o primeiro gole de uísque; o aveludado erótico da ostra.


Sabores e odores misturam-se na memória do agonizante.


Em contraponto às suas recordações surgem as vozes das vítimas de seu cinismo e egoísmo: a mulher e os filhos, a amante, o aluno, o gato de estimação e até mesmo a concierge Renée, que os leitores de Muriel Barbery conheceram em A elegância do ouriço.


Para idealizar certos cardápios e receitas de A morte do gourmet, romance traduzido em doze línguas, a autora contou com a colaboração de Pierre Gagnaire, um dos mais conceituados chefs da França, agraciado com três estrelas no Guia Michelin.

Um comentário:

jugioli disse...

Ainda não li esse, mas o anterior desta autora, achei incrível: a elegância do ouriço, imperdível.
Gostei de conhecer o seu blog

@dis-cursos